“Richa é o patrão do Ibope no Paraná”, acusa Requião

Publicado em 28 agosto, 2014
Compartilhe agora!

Advogado Luiz Fernando Delazari, em nome do senador Roberto Requião, protocolou nesta sexta (28) um pedido de providências ao procurador Gilberto Giacóia para que investigue o instituto de pesquisa Ibope; chefe do Ministério Público do Paraná poderá abrir investigação contra a empresa que faz levantamento de intenção de votos para o Palácio Iguaçu e, ao mesmo tempo, presta serviço ao governo Richa; Requião afirma que o referido instituto possui um patrão!, o Governo do Estado, o que por si só compromete a lisura de qualquer pesquisa por ele divulgada; abaixo leia a integra do pedido.
Advogado Luiz Fernando Delazari, em nome do senador Roberto Requião, protocolou nesta sexta (28) um pedido de providências ao procurador Gilberto Giacóia para que investigue o instituto de pesquisa Ibope; chefe do Ministério Público do Paraná poderá abrir investigação contra a empresa que faz levantamento de intenção de votos para o Palácio Iguaçu e, ao mesmo tempo, presta serviço ao governo Richa; Requião afirma que o referido instituto possui um patrão!, o Governo do Estado, o que por si só compromete a lisura de qualquer pesquisa por ele divulgada; abaixo leia a integra do pedido.
O procurador de Justiça do Paraná, Gilberto Giacóia, chefe do Ministério Público, recebeu nesta quinta-feira (28) um pedido de providências do senador Roberto Requião, candidato ao governo do Paraná, contra o instituto de pesquisa Ibope.

No documento protocolado hoje à  tarde, Requião relata que o Ibope tem contratos no valor de R$ 4.631.040,00 com o governo do estado e faz pesquisas sobre a corrida eleitoral para o cargo de governador.

Para Requião, o referido instituto possui um patrão!, o Governo do Estado, o que por si só compromete a lisura de qualquer pesquisa por ele divulgada.

Na reclamação ao Ministério Público, o candidato do PMDB diz que o Datafolha apresentou um resultado e o Ibope outro totalmente diferente por causa da relação comercial com o candidato/cliente.

Segundo o advogado Luiz Fernando Delazari, a campanha peemedebista pede que Giacóia investigue os termos do contrato entre o Ibope/CELEPAR; apontar seus objetivos; verificar o que foi pago até o momento e a que título; constatar se foram realizadas pesquisas do cenário eleitoral ao longo do período contratado; verificar se de fato o contrato atende ao interesse público ou a particular; e, investigar a possível fraude na pesquisa eleitoral realizada e divulgada no dia 25 de agosto de 2014.

A seguir, leia a íntegra da representação de Requião no MP:

http://www.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2014/08/Ibope_MPPR.pdf

Compartilhe agora!

Comments are closed.