Mal-criado e feio!, Bonner ironiza críticos no Twitter

Publicado em 20 agosto, 2014
Compartilhe agora!

via Brasil 247

Esqueçam o bom moço e galã; William Bonner assumiu que tem outro lado; depois de interromper a presidente Dilma Rousseff 21 vezes em 15 minutos de entrevista, na qual sua primeira pergunta ocupou dez por cento do tempo total, o apresentador do Jornal Nacional garante que sempre foi durão; pelo twitter, chama de "robôs partidários", "corruptos" e "blogueiros sujos" os que apontaram desequilíbrio, parcialidade e até mesmo grosseria na atuação dele e de Patrícia Poeta diante da presidente; já visto nas redes sociais com a faixa presidencial no peito, Bonner vira o mais novo agente político da praça; isso faz sentido?
Esqueçam o bom moço e galã; William Bonner assumiu que tem outro lado; depois de interromper a presidente Dilma Rousseff 21 vezes em 15 minutos de entrevista, na qual sua primeira pergunta ocupou dez por cento do tempo total, o apresentador do Jornal Nacional garante que sempre foi durão; pelo twitter, chama de “robôs partidários”, “corruptos” e “blogueiros sujos” os que apontaram desequilíbrio, parcialidade e até mesmo grosseria na atuação dele e de Patrícia Poeta diante da presidente; já visto nas redes sociais com a faixa presidencial no peito, Bonner vira o mais novo agente político da praça; isso faz sentido?

William Bonner assumiu. No últimos 18 anos, ele cultivou a imagem de equilíbrio e imparcialidade, de bom moço e de galã, no comando da bancada do Jornal Nacional !“ a instituição jornalística da Rede Globo que, mesmo perdendo audiência aos borbotões nos últimos, ainda é um dos veículos de mídia mais poderosos do País. Mas agora é diferente.

Pelo twitter, ironizando as críticas sobre a maneira como conduziu a entrevista de 15 minutos com a presidente Dilma Rousseff, anteontem, ele avisa que “sempre” foi durão, que nunca pegou leve com seus entrevistados e que está disposto a novas incursões do mesmo tipo. Cuidado com ele, é como se o próprio avisasse, numa espécie de lançamento de uma candidatura informal a jornalista valentão.

Na verdade, a crítica a Bonner se deu pelo fato de ele ter interrompido, por 21 vezes, a presidente em suas respostas. Pelo fato de sua primeira pergunta ter durado dez por cento do tempo total da entrevista. Por ter conduzido uma entrevista que derivou para dedo em riste na direção da presidente e vozes exaltadas entre os perguntadores.

Em seu trato de “tio” para “sobrinhos” com seus seguidores no twitter, Bonner vem sustentando, com ironia e sarcasmo, que quem não gostou de sua postura foram os “corruptos”, os “robôs partidários” e os “blogueiros sujos”. Dá, neste sentido, uma lista de perguntas que este gostariam que fosse feitas para o candidato “DELES”, tais como “Aceita um cafezinho?”.

Bonner não admite a surpresa dos quem enxergam, no Jornal Nacional, um veículo com múltiplos compromissos, com uma história de sustentação ao regime ditatorial. Os mesmo que veem no próprio Bonner um âncora notadamente acrítico no dia a dia. Seus comentários quase não existem, e quando são pronunciados para marcar alguma notícia, no mais das vezes soam como genéricos.

Com o apoio de seus seguidores, Bonner está dizendo que nunca deixou de ser durão. E que vai continuar. A depender do resultado das eleições presidenciais, é de se acompanhar se essa garantia vai se sustentar.

Compartilhe agora!

Comments are closed.