Pressionado, Ratinho Júnior pode ser o vice do tucano Beto Richa

Para tentar a reeleição e garantir-se no segundo turno, Beto Richa precisará dos votos de Ratinho na região metropolitana de Curitiba; sem o aliado do PSC, governador do PSDB poderá ter o mesmo destino do seu pupilo Luciano Ducci (PSB), que em 2012 nem avançou para a segunda etapa eleitoral pela Prefeitura de Curitiba; tucano não conseguiu garantir coligação com o PMDB, que decidiu pela candidatura de Requião ao Palácio Iguaçu.

Para tentar a reeleição e garantir-se no segundo turno, Beto Richa precisará dos votos de Ratinho na região metropolitana de Curitiba; sem o aliado do PSC, governador do PSDB poderá ter o mesmo destino do seu pupilo Luciano Ducci (PSB), que em 2012 nem avançou para a segunda etapa eleitoral pela Prefeitura de Curitiba; tucano não conseguiu garantir coligação com o PMDB, que decidiu pela candidatura de Requião ao Palácio Iguaçu.

O deputado federal Ratinho Júnior (PSC) está sendo pressionado para fazer companhia na chapa do governador Beto Richa (PSDB) na condição de vice. O parlamentar é pré-candidato à  Assembleia Legislativa do Paraná.

Ratinho virou alternativa “necessária” depois que bateu na trave a tentativa de coligação com o PMDB, que decidiu pela candidatura própria do senador Roberto Requião.

Para tentar a reeleição e garantir-se no segundo turno, o governador tucano precisará dos votos de Ratinho na região metropolitana de Curitiba. Sem o aliado do PSC, Richa poderá ter o mesmo destino do seu pupilo Luciano Ducci (PSB), que em 2012 nem avançou para a segunda etapa eleitoral pela Prefeitura de Curitiba (clique aqui).

O diabo é que Ratinho Júnior teme ficar sem mandato e naufragar o sonho de chegar a prefeito da capital, em 2016, além de frustrar uma chapa completa de pré-candidatos que almejam chegar à  Assembleia no vácuo do “caminhão de votos” que se imagina para o jovem deputado.

Comentários encerrados.