MP abre investigação sobre dispensa de licitação de R$ 23 mi na Sanepar

A Embrasil e a Empresa Auxiliar, empresas de segurança privada doadoras de dinheiro na campanha de Richa, em 2010, dispensadas de licitação e contratadas em regime emergencial, serão investigadas pelo promotor de Justiça Felipe Lamarão de Paula Soares, da Comarca de Curitiba; elas têm contrato que somam até R$ 23 milhões na Sanepar.

A Embrasil e a Empresa Auxiliar, empresas de segurança privada doadoras de dinheiro na campanha de Richa, em 2010, dispensadas de licitação e contratadas em regime emergencial, serão investigadas pelo promotor de Justiça Felipe Lamarão de Paula Soares, da Comarca de Curitiba; elas têm contrato que somam até R$ 23 milhões na Sanepar.

O promotor de Justiça Felipe Lamarão de Paula Soares, da Comarca de Curitiba, comanda investigação do Ministério Público contra a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar). A estatal de água e esgoto é acusada de contratar empresas de segurança privada em regime de urgência com dispensa de licitação entre os anos 2011 e 2014.

A Embrasil (Empresa Brasileira de Segurança) abocanhou contrato R$ 18,8 milhões e a Empresa Auxiliar de Segurança administra o segundo lote do contrato, no valor R$ 4,4 milhões.

Ambas as empresas foram doadoras da campanha de Beto Richa (PSDB) para o governo do estado em 2010. Segundo as informações do Tribunal Superior Eleitoral, a Embrasil prestou serviços para a campanha no valor estimado de R$ 33 mil. Já a Empresa Auxiliar de Serviços Gerais, grupo de que faz parte a Auxiliar de Segurança, fez uma doação em dinheiro, por meio de transferência, no valor de R$ 65 mil.

Comentários encerrados.