Rodrigo Rocha Loures: “Empresários têm que atuar mais na política e nas eleições de 2014”

Publicado em 11 março, 2014

O empresário Rodrigo Rocha Loures, ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), em artigo especial para o Blog do Esmael, analisa a participação do setor produtivo na política e a perspectivas nas eleições de 2014; o fundador da Nutrimental diz que o empresário participa da política através de uma agenda setorial, do lobby nos parlamentos ou no executivo, ou ainda financiando candidaturas; "à‰ pouco, muito pouco", opina, para logo em seguida pregar o uso da inteligência no processo: "O ano eleitoral é a oportunidade perfeita para retomarmos com força nosso papel político na sociedade"; leia o texto.
O empresário Rodrigo Rocha Loures, ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), em artigo especial para o Blog do Esmael, analisa a participação do setor produtivo na política e a perspectivas nas eleições de 2014; o fundador da Nutrimental diz que o empresário participa da política através de uma agenda setorial, do lobby nos parlamentos ou no executivo, ou ainda financiando candidaturas; “à‰ pouco, muito pouco”, opina, para logo em seguida pregar o uso da inteligência no processo: “O ano eleitoral é a oportunidade perfeita para retomarmos com força nosso papel político na sociedade”; leia o texto.
Rodrigo Rocha Loures*

A ação política deve fazer parte do dia a dia do empresário, mas num ano eleitoral esta ação deve ser ainda mais intensa.

Os empresários são os maiores geradores de emprego, renda e tributos. Mas seu papel não se limita a empreender e gerar riqueza; vai muito além. à‰ preciso assumir bandeiras como a do fortalecimento da sociedade e o saneamento da política pública.

Há muito que o relacionamento do empresariado com o governo se pauta por queixas, principalmente contra a política tributária, eterna pedra no caminho do crescimento econômico. Comumente, o empresário participa da política através de uma agenda setorial, do lobby nos parlamentos ou no Executivo, ou financiando candidaturas nas eleições. à‰ pouco, muito pouco.

A atuação política do empresário deve ir além. Precisamos mudar e esta mudança passa por uma ação de inteligência política. O que significa isso? Significa abrimos mão de sermos atores políticos sem expressão para nos tornarmos fortes e influentes. Nossa atuação precisa ser organizada e sistemática, impondo o respeito necessário a uma categoria que atua com competência nos contextos em que está inserida.

Ocupar este espaço com inteligência e sofisticação significa ter propostas, discurso, bandeiras capazes de respaldar ações cujo desfecho é a participação direta na formulação das políticas públicas voltadas não apenas para um segmento profissional, mas para toda a comunidade.

O ano eleitoral é a oportunidade perfeita para retomarmos com força nosso papel político na sociedade. As eleições são o momento em que o debate político ganha maior destaque nos meios de comunicação e, consequentemente, na agenda de interesses da sociedade. E é aí que uma ação política do empresariado, feita com inteligência, sofisticação e determinação pode trazer resultados surpreendentes.

*Rodrigo Rocha Loures é fundador da Nutrimental e ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

Comments are closed.