Na guerra interna do PT pela regulação da mídia, surgem vozes em defesa de Paulo Bernardo

Segundo o presidente do partido, Rui Falcão, é um direito do governo não enviar o projeto por conta da correlação de forças, mas sigla vai se associar à s entidades que estão querendo convencer a sociedade de que esse marco é necessário; ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, declarou que acha "incompreensível" que o partido misture regulação da mídia com investimentos.

Segundo o presidente do partido, Rui Falcão, é um direito do governo não enviar o projeto por conta da correlação de forças, mas sigla vai se associar à s entidades que estão querendo convencer a sociedade de que esse marco é necessário; ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, declarou que acha “incompreensível” que o partido misture regulação da mídia com investimentos.

Nem tudo está perdido para o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, vítima de fogo amigo dentro do PT em virtude de projeto que regulamenta a mídia no país, a chamada “Ley dos Médios”.

Nesta sexta-feira, vozes ecoaram em defesa do ministro paranaense. O blog “Os Amigos do Presidente Lula”, por exemplo, acudiu Paulo Bernardo publicando um texto sob o título “Fogo amigo da fulanização, a zona de conforto que empaca a ‘Ley dos Médios'”.

“No Brasil, o PT já elegeu presidentes da República três vezes, mas tem apenas 17% da bancada da Câmara e 17% do Senado”, diz trecho do artigo, que ainda lembra que Hugo Chávez, na Venezuela, elegeu 55% do parlamento e Cristina Kirchner fez 54% da Câmara na Argentina.

“…nenhum ministro é “salvador da Pátria” de uma reforma política que precisa de muito mais do que os 20% de votos que o PT e o PCdoB tem no Congresso”, defendeu o blog.

A seguir eu reproduzo o texto publicado no blog Os Amigos do Presidente Lula:

Fogo amigo da fulanização, a zona de conforto que empaca a ‘Ley dos Médios’

O PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela), criado por Hugo Chávez, detém 55% do parlamento venezuelano (lá é unicameral). Os peronistas, bancada de apoio a Cristina Kirchner na Argentina, tem 54% da Câmara, e tem também maioria no Senado.

No Brasil, o PT já elegeu presidentes da República três vezes, mas tem apenas 17% da bancada da Câmara e 17% do Senado. Somando aos votos do PCdoB, o aliado mais próximo nas votações legislativas, chega perto de 20% em cada Casa.

Como se vê, o PT não tem condições de, sozinho, dar sustentação ao governo, nem de fazer reformas legislativas, como a reforma política ou um marco regulatório das telecomunicações.

à‰ preciso muita conversa e articulação com outros partidos de centro e à  direita. à‰ preciso também costurar a redução de resistências de setores da sociedade que influem no voto destes parlamentares. Enfim, é preciso buscar os pontos em comum, aparar arestas, saber ceder também no que pode ser cedido, para construir maioria.

Daí, não dá para entender por que o PT, junto com o PCdoB, não propõe um texto de “Lei dos Medios” no Congresso, da mesma forma que faz com a proposta de reforma política do deputado Henrique Fontana (PT-RS), para colocar em pauta, em discussão, consulta pública, chamar os mais diversos setores para audiências públicas, e costurar condições mais favoráveis para aprovar o que for possível.

O PT quer a reforma política e foi à  luta para costurar acordos. Está tentando, está fazendo a coisa certa. O partido não se limitou a ficar na zona de conforto, escrevendo resoluções partidárias empurrando o problema para o ministro da Justiça, por exemplo, fazer um projeto e empurrar goela abaixo do Congresso. Porque está cansado de saber que nenhum ministro é “salvador da Pátria” de uma reforma política que precisa de muito mais do que os 20% de votos que o PT e o PCdoB tem no Congresso.

Da mesma forma acontece com uma lei tão sensível ao interesse da grande maioria de parlamentares dos outros partidos, como a chamada “Ley dos Médios”. Não faz o menor sentido o PT ficar na zona de conforto escrevendo resoluções partidárias, “fulanizando” o problema no nome de uma única pessoa, o ministro das Comunicações Paulo Bernardo (PT-PR), como se dependesse unicamente dele ou da presidenta Dilma “salvar a Pátria”, sendo que os únicos votos no Congresso com que pode contar, neste caso, são os 20% do PT e do PCdoB.

O PT sabe que a aprovação de uma lei destas não depende de um único ministro, seja quem for. Por isso fulanizar o problema é fugir dele. Escrever resoluções empurrando o problema para um ministério só serve para marcar posição, mas não passa de falta de iniciativa partidária para viabilizar de fato alguma lei.

O governo Lula propôs em 2004, a criação da ANCINAV (Agência Nacional do Cinema e do Audiovisual) e do CFJ (Conselho Federal de Jornalismo), que tinha a ver com algumas propostas da chamada “Lei dos Médios”. Sofreu enorme reação e não teve apoios suficientes para levar adiante.

O governo, então, só avaliou oportuno voltar a tratar de nova regulamentação da mídia, no final de 2010, já no fim do mandato de Lula. O então ministro da Comunicação Social (SECOM – não era o Ministério das Comunicações), promoveu um seminário e estudos sobre o assunto. Deixou essa pauta para o governo Dilma.

Houve manifestações do governo, inclusive do ministro Paulo Bernardo, favoráveis a um novo marco regulatório. Aparentemente, o governo ao estudar o assunto e avaliar a receptividade do Congresso, não viu chances de um bom projeto passar. Ou apresentaria um bom projeto, como desejamos, para não ser aprovado, ou teria que ceder tanto, para ser aprovado, que continuaria tudo como está.

Ora, então não adiantaria nada fazer pirotecnia só para jogar para a plateia militante, em vez de dedicar os esforços de governo em projetos viáveis, também transformadores da realidade das pessoas e da nação, sobretudo perseguir a universalização da banda larga veloz e de qualidade para todos.

Logo, essa pauta de regulamentação da mídia ficou inviável no âmbito do poder executivo, no momento atual, assim como não foi viável durante os 8 anos do governo Lula.

Mas nada impede que PT e PCdoB apresentem Projetos de Lei no Congresso Nacional, e procure costurar acordos para viabilizá-los. Se não conseguir aprovar nesta legislatura, pelo menos mantém o debate acesso, aberto à  sociedade, com transparência, com um texto objetivo para ser discutido, sem a velha mídia ficar deitando e rolando em cima do nosso vácuo, dizendo que nossas propostas de democratização das comunicações é censura.

O fogo amigo que enfraquece o próprio PT

Grupos de militantes que insistem em reduzir o debate do marco regulatório das telecomunicações à  fulanização (o que despolitiza e empaca iniciativas), ficam frustrados pelo governo Dilma não colocá-lo em pauta (quando, na atual conjuntura, quem deve fazer isso são os parlamentares), e passam a descarregar fogo amigo contra qualquer outra iniciativa do ministério das Comunicações.

Há críticas completamente infundadas e que mostram profundo desconhecimento. Fazer política industrial para incentivar fabricas de produtos de rede no Brasil, com alto valor agregado de tecnologia, é criticado de forma até ingênua como se fosse “doar dinheiro à s teles”.

Buscar aumentar a taxa de investimento sobre o PIB num dos setores mais dinâmicos da economia e que mais tem potencial de crescimento, também vira motivo de outras críticas ingênuas como se fosse “doar dinheiro à s teles”.

Tem críticos até defendendo que as teles fiquem até 2025 sem trocar por fibras óticas os velhos fios de cobre para telefonia que chegam na sua e na minha casa, e que tem limitações técnicas de velocidade para banda larga, só para as teles devolverem essa rede ao governo, sendo que será sucata até lá… senão acusam de “doar dinheiro à s teles”.

Obviamente que se as teles tiverem que devolver estas redes antigas em 2025, elas vão estender a vida útil dos cabos antigos e evitar trocar o quanto puderem. Se o governo abrir mão dessa devolução, que terá valor de sucata em 2025, contanto que troque por fibra ótica, quem ganha é você, eu e todo domicílio do Brasil. à‰ claro que um projeto deste precisa ser muito bem alinhavado, mas não há como ser contra se for bem feito, focado no interesse do cidadão e no real patrimônio público. Em 2025 o Brasil já vai ser outro, a Telebras já será outra. A página da Privataria Tucana nas teles já estará virada há tempos.

Com os investimentos em andamento, inclusive da Telebras, o governo Dilma e o Ministério das Comunicações terão muito o que inaugurar até o ano que vem, e os resultados destes avanços serão conquistas do governo do PT, de um ministério cuja gestão é do PT. Muita gente que hoje dispara fogo amigo, estará queimando a língua, usando as conquistas no setor de comunicações como bandeiras de campanha para se reeleger em um ano eleitoral.

Aliás, nada contra o PT ter tendências e debates internos, o que até é bastante saudável para a democracia interna e para a vitalidade do partido, mas essa esquizofrenia de disparar veneno a esmo contra seus próprios ministros, minando suas lideranças políticas, sem nenhuma razão objetiva, só serve para atrapalhar o crescimento da bancada no Congresso, formando um ciclo vicioso, pois sem bancada maior não há meio de transformar algumas resoluções do partido em leis.

7 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Na Venezuela o PSUV , partido de Chaves tem 57% sempre de votos. Mas as forças populares lá tem centenas de rádios comunitárias, ( com potencia decente e não essa merreca de 25 W daqui) , TVs, Jornais….Aqui o PB e sua tchurma não deixam existir imprensa livre, só as redes dos Marinho, Civita, etc, porque elas poupam ele, elas bajulam ele, elas não falam nada nem dele nem da tchurma dele no PT. E assim só dá eles no PT. A “esquerdalha” como eles dizem, não aparece. Só eles tem as rádios e TVs à disposição. Ou você já viu a PIG atacando o Paulo Bernardo???? O homem é o homem de confiança das teles e da globo no Governo Federal…Até quando , Dilma? Voce acha que o PB ainda é virgem, é?

  2. Paulo Bernardo é muito fraco como Ministro. Tem medo do PIG por isso é contra a lei de medio. Até na Inglaterra foi lançado recentemente uma nova Lei de Medio. Aqui no Brasil o PIG considera cerceamento da liberdade de imprensa, o Instituto Millenium aplaude e o Ministro Paulo Bernardo fica com medo de enfrentar o PIG e o PIG tira sarro em cima do Ministro. Já pensou se houvesse uma guerra …. se borraria todo nas calças!

  3. Até quando teremos que aguentar o HIBernardo defendendo o oligopólio particular, quase monopólio, das telecomunicações no Brasil? Até quando teremos que aguentar 6 pessoas, os chefes dos clãs Marinho, Santos, Saad, Sirotsky, Mesquita e Frias, manipularem a notícia e, com arrogância, acharem que são os donos das mentes dos brasileiros? Fora HIBernardo! ACORDA DILMA!

  4. E por acaso você sabe quem deverá ser finaciador de campanha da sua “esposa” ao governo do Paraná? Se você adivinhar ganha um Ipod de presente com linha e sinal de internet, claro que nada vai funcionar, mas pelo menos ganha o prêmio. kkkkkkkkkkkkkk

  5. A cartilha das teles foi escrito na era FHC durante o processo da escandalosa privatização, concordo em parte com você Itamar, mais não podia deixar de fazer essa observação.

  6. Paulo Bernardo tem sido um desastre na condução do ministerio das comunicações. Sob seu comando, milhares de escolas no interior do Brasil estão sem Internet pq as operadoras nao querem e ele as defende. Assim tambem estao os postos de saude. A internet no Brasil é cara, lenta e ruim a famosa BANDA LERDA do Bernardo. Sinceramente, ele esta afundando o governo Dilma nessa area e o melhor seria ele pedir p sair! Nao conseguiu nada em termos de inclusao digital nao propos um marco para midia, por medo da globo e acho que ele é despreparado p atuar nessa area…pede pra sair Bernardo!