Caos na Educação: Cai o Ideb do Paraná

20120814-164706.jpg

Daqui a pouco, à s 17 horas, durante uma coletiva de imprensa (clique aqui para assistir ao vivo), em Brasília, o Ministério da Educação (MEC) divulgará o resultado do Ideb (àndice de Desenvolvimento da Educação Básica) de todo o país.

O leitor deste blog já sabe, desde 2 de julho, que foi ao chão os números do Ideb paranaense sob o tacão da secretária da Educação de fato, Meroujy Cavet, e de seu assistente, o vice-governador Flávio Arns (PSDB).

As informações extra-oficiais dão conta que o “xoque de jestão” do PSDB na Educação está funcionando bem no Paraná. No entanto, corre-se o risco de matar a comunidade escolar eletrocutada.

Segundo o “orelha seca” do blog instalado dentro da SEED, o Ideb do Paraná assim ficou:

* Ensino Médio caiu de 3,9 (ano 2009) para 3,7 (ano 2011).
* Ensino Fundamental (séries finais) caiu de 4,1 (ano 2009) para 4,0 (ano 2011).
* Ensino Fundamental (séries iniciais) não cumpriu meta de 5,7 (ano 2011) e manteve-se em 5,2 (ano 2009).

Se continuar nessa toada, no final do governo Beto Richa, o Ideb paranaense será inferior aos índices africanos e a dupla Meroujy-Arns inaugurarão um salão para a dança do siri na Educação.

Para os leigos, uma breve explicação sobre o Ideb. Trata-se do àndice de Desenvolvimento da Educação Brasileira. Ele é resultado da soma da Prova Brasil com as taxas de aprovação e reprovação nas escolas da rede pública e privada.

O índice é medido a cada dois anos e o objetivo é que o país, a partir do alcance das metas municipais e estaduais, tenha nota 6 em 2022 !“ correspondente à  qualidade do ensino em países desenvolvidos.

14 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O IDEB tornou-se uma competição, deixando de lado a qualidade, pois o que importa é atingir metas estabelecidas por quem deveria dar condições e infraestruturas de melhor estudo. Então, como toda competição, busca-se fazer o melhor para vencer e não correr o risco de sair na mídia como a pior escola do país. Além das autoridades não darem condições de melhoria da qualidade do ensino, ainda provoca um grande mal estar entre educadores que acabam sendo responsabilizados pelos baixos índices de aprendizagem, visto que o que vale é alcançar essas metas, independente dos meios usados para isso acontecer. A infraestrutura tem sido um dos grandes problemas para o desenvolvimento de uma educação de qualidade, e as autoridades que deveriam ter a preocupação com alunos carentes que nem ao menos tem acesso às condições materiais básicas como alimentação, saúde, transporte seguro, uniformes, cadernos, elas acabam mudando de direção, saindo das possibilidades de melhorias pedagógicas que a avaliação agregava ao ensino para o alcance de notas determinadas no IDEB. A realidade na qual a escola esta inserida, as necessidades dos alunos deveriam fazer parte da avaliação, pois seu desempenho no processo de ensino aprendizagem depende dos mesmos vivenciarem novas oportunidades educacionais sem estarem sentindo uma sobrecarga imposta por aqueles que deveriam encoraja-los, mas ao invés disso depositam a culpa pela má qualidade de ensino nos professores, deixando assim de lado a qualidade que realmente é necessária e desejável e tentam resolver com receitas prontas. Assim essa qualidade transforma-se em mera competição, pois as escolas vão escolher os “melhores” alunos para aplicarem as provas, e esses vão ser preparados para que façam o melhor pela escola, mas muitos alunos que não são “bons” ficam afastados dessas avaliações, o que se torna mais uma forma de exclusão. As avaliações escolares têm indicado sistematicamente problemas à qualidade da educação e é condição que se apresenta no país como um todo, surgindo à questão de como são avaliadas o desempenho escolar e quais condições se encontram as escolas, se as mesmas oferecem de fato aos alunos, condições de estudo, se o ambiente é propicio ao aprendizado, se os professores são capacitados, o material apropriado, revelando assim que o IDEB não reflete uma visão plena das condições educacionais e não considera diversos aspectos reveladores da qualidade. Não desconsidero aqui que a escola e educadores também tenham responsabilidade, pois os mesmos devem cobrar melhores condições para uma aprendizagem de qualidade, e junto da comunidade devem analisar e melhorar o que for necessário na avaliação interna para que essa seja capaz de suprir suas reais necessidades.

  2. Por favor, me poupe de tanta bobagem. Beto Richa assumiu o governo em 2011- Esses índices são resultado de testes feito em 2011- Como podem dizer que no Governo Richa o ensino desabou?
    Há muito tempo a educação no Brasil vem se deteriorando. E, de acordo com a interpretação desse artigo se entende que Beto Richa é o culpado do mau resultado obtido pelos nossos ilustres alunos, como se em um ano se conseguisse reverter anos e anos de descaso com o ensino no Brasil.
    VALORIZAÇÃO DA CARREIRA DO PROFESSOR isso sim é que preciso fazer e urgente.

  3. Ismael…Bota ai também, o quadro do ensino superior. Saiu no JN. Coisa feia, sô!

  4. O Jornal Nacional acaba de mostrar o quadro do ensino superior.

    E no ensino básico, não há como progredir. Reparem como Assim Caminha a Juventude, e Ao Mestre, Com Carinho. Com Carinho?

  5. A nota nas séries iniciais (ensino fundamental) é superior, porque Curitiba adota o Ciclo Básico, onde praticamente não existe reprovação, como a nota do IDEB é o resultado da soma da Prova Brasil com as taxas de aprovação e evasão escolar, as notas do município são aumentadas artificialmente, porém, como muitos são aprovados sem adquirirem o conhecimento e as habilidades necessárias para a série seguinte, muitos chegam na Rede Estadual (6º ANO) sem realizar as 4 operações e com dificuldades na escrita e na leitura, sem o hábito do estudo e com raras exceções muitas dificuldades na interpretação e na produção de textos.

  6. O governo Requião foi muito melhor para Educação paranaense do que está sendo o governo Richa. Atualmente, só existe promessa que não se realiza, um verdadeiro descaso.

  7. Só pra complementar,essas notas ainda são “puxadas” pra cima,já que no ensino fundamental não pode reprovar os alunos,segundo a lei.Por tanto,se for ver a qualidade do aprendizado de todos os estudantes esta bem abaixo do divulgado.

  8. Você deve ser fã do Reinaldo Azevedo, da Veja, né, Esmael? É a exata cópia dele, só que puxa saco de petista.

  9. Ué, mas os tucanos não se acham os éticos, os limpinhos, os que dão prioridade a educação? Ah, sim quis dizer a privatização, kkkkkkkkkkkkkk