22 de fevereiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em “O Brasil não vai fazer nenhuma ação agressiva contra a Venezuela”, diz general Heleno

“O Brasil não vai fazer nenhuma ação agressiva contra a Venezuela”, diz general Heleno


O general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Internacional (GSI), declarou, nesta sexta-feira (22) em entrevista à GloboNews, que “o Brasil não vai fazer nenhuma ação agressiva contra a Venezuela. ... 

Leia mais

12 de fevereiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em General Heleno nega espionagem de bispos e diz que só dará explicações se for convocado

General Heleno nega espionagem de bispos e diz que só dará explicações se for convocado

O general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) do governo de Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (12) que só dará explicações sobre acusações de espionagem de bispos à Câmara se for convocado. “Se fosse convidado, não. Se for convocado, sou obrigado a ir”, disse. ... 

Leia mais

12 de fevereiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em General Heleno não quer falar sobre a espionagem contra a Igreja

General Heleno não quer falar sobre a espionagem contra a Igreja

O general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional do governo Bolsonaro (PSL), disse que não quer ir à Câmara falar sobre a espionagem do GSI contra a Igreja Católica. ... 

Leia mais

11 de fevereiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Paulo Teixeira: Vou representar o general Heleno por crime improbidade administrativa

Paulo Teixeira: Vou representar o general Heleno por crime improbidade administrativa

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) afirmou nesta segunda-feira (11), no Twitter, que vai representar contra o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, por crime improbidade administrativa por causa da arapongagem sobre a Igreja Católica.   ... 

Leia mais

10 de fevereiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Espionar Igreja é volta à repressão, diz PT

Espionar Igreja é volta à repressão, diz PT

O PT emitiu uma nota na noite deste domingo (9) na qual considera muito grave a espionagem do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) contra a Igreja Católica feita por meio do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN). ... 

Leia mais

10 de fevereiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Paulo Pimenta sobre arapongagem contra a Igreja Católica: Ação típica de ditadura

Paulo Pimenta sobre arapongagem contra a Igreja Católica: Ação típica de ditadura

O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), usou o Twitter neste domingo (10) para criticar o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) por espionar a Igreja Católica através da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). ... 

Leia mais

10 de fevereiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Governo Bolsonaro teme “oposição” da Igreja Católica

Governo Bolsonaro teme “oposição” da Igreja Católica

O governo do presidente Bolsonaro e a sua Agência Brasileira de Inteligência (Abin) estão encarando a Igreja Católica como um potencial inimigo, capaz de fazer forte oposição.  ... 

Leia mais

6 de janeiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Dilma Rousseff: A “inteligência” na qual não se deve acreditar

Dilma Rousseff: A “inteligência” na qual não se deve acreditar

Em nota divulgada neste domingo (6), a ex-presidenta Dilma Rousseff rebate declarações de general Augusto Heleno e aponta falhas do Gabinete de Segurança Institucional na espionagem realizada pela agência de inteligência dos EUA, no grampo feito no Planalto e no atentado na campanha presidencial.

“Durante meu mandato, tive várias situações de manifesta ineficácia do GSI e do sistema de inteligência a ele articulado”, diz trecho do artigo.

Confira a íntegra do artigo da ex-presidenta Dilma:

A “senhora Rousseff não acreditava na inteligência”. A declaração é do “senhor Heleno” ao assumir o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. Tal afirmação vem sendo feita pelo “senhor Heleno” em todas entrevistas dadas à imprensa. Em vista disso, é inevitável tratar do assunto.

De fato, durante meu mandato, tive várias situações de manifesta ineficácia do GSI e do sistema de inteligência a ele articulado.

Houve falha, por exemplo, ao não detectar e impedir o grampo feito ilegalmente no meu gabinete, em março de 2016 – sem autorização do Supremo Tribunal Federal –, quando foi captado e divulgado meu diálogo com Luiz Inácio Lula da Silva, às vésperas dele ser nomeado para a Casa Civil.

O caso mais grave, entretanto, ocorreu em 2013, por ocasião da espionagem feita em meu gabinete, no avião presidencial e na Petrobras pela National Security Agency (NSA), a agência de inteligência dos EUA.

Os setores da inteligência brasileira não só desconheciam que a interferência vinha ocorrendo há tempo – só souberam após o caso Snowden – como sequer sabiam os meios necessários para bloqueá-la. Nem mesmo sabiam o que havia sido captado pela NSA nos referidos grampos.

Uma “inteligência” ligada à Presidência da República que não tem conhecimento, capacidade e tecnologia para enfrentar a moderna espionagem cibernética não é crível.

Na verdade, a própria defesa da soberania do país exige que nela não se acredite para que se possa tomar todas as medidas necessárias para torná-la efetiva e contemporânea. Negar tal fato só atrasa o processo.

Aliás, a falha mais recente ocorreu no governo Temer, o que evidencia que tudo continua igual no setor de inteligência. Durante a campanha, quando o atual presidente, então candidato, foi alvo de atentado em Juiz de Fora, a “inteligência” já supostamente reconstruída, desconhecia a ameaça e, portanto, não pode impedi-la.

Tais exemplos mostram que a inteligência do governo ainda não é credível.

Dilma Rousseff, presidenta eleita em 2010 e vítima de golpe em 2016

Leia mais

18 de novembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Bolsonaro esvazia futura Casa Civil de Onyx Lorezoni e reforça o ‘gerentão’ Mourão

Bolsonaro esvazia futura Casa Civil de Onyx Lorezoni e reforça o ‘gerentão’ Mourão

A equipe de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), opera um novo organograma de atribuições para o futuro ministro da Casa Civil, o deputado federal Onyx Lorezoni (DEM-RS), que passaria a coordenar apenas a relação com as duas casas do Congresso Nacional. O futuro ministro tem enfrentado forte “fogo amigo” de setores bolsonaristas, em particular de parlamentares do PSL, partido de Bolsonaro.

No novo desenho palaciano, ganha força política o vice-presidente Hamilton Mourão, que se transformaria numa espécie de “gerentão” do governo, coordenando e monitorando o trabalho feito por todos os ministérios. Se o novo desenho for adotado, o Palácio do Planalto perde uma secretaria com status de ministério – a de Governo –, ficando com apenas três pastas: Casa Civil mais enxuta, com Lorenzoni; Gabinete de Segurança (GSI), com o general Augusto Heleno, e Secretaria-Geral da Presidência, que deverá ser ocupada pelo advogado e ex-presidente do PSL, Gustavo Bebiano.

O general Hamilton Mourão controlaria também os programas e obras governos do governo, como por exemplo, o PAC – Programa de Aceleração do Crescimento ou similar que venha ser adotado pela gestão Bolsonaro.

*Com informações do Estadão Conteúdo Leia mais

5 de novembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em General Heleno “nega intervenção militar” no governo Bolsonaro

General Heleno “nega intervenção militar” no governo Bolsonaro


O general Augusto Heleno, ministro da Defesa do governo eleito de Jair Bolsonaro (PSL), negou nesta segunda-feira (5) que a nomeação de militares das Forças Armadas para a equipe de transição indique uma postura autoritária do governo eleito. Segundo ele, são nomeações técnicas e que consideram a elevada formação profissional.

“O país resolveu aproveitar tudo o que investe na formação. É uma questão de coerência de aproveitamento do que foi investido nos militares, que nós possamos participar da vida pública. Não tem nada a ver com governo militar, ninguém tá pensando em intervenção militar, ninguém tá pensando em autoritarismo, é uma aproveitamento de gente que o país não estava acostumado a aproveitar. Pouca gente conhece o Brasil como nós”, disse.

O general Augusto Heleno participou hoje da primeira reunião da equipe de transição coordenada pelo ministro extraordinário Onyx Lorenzoni (DEM). Após a reunião, o general foi questionado por jornalistas sobre o grande número de militares no futuro governo.

*Com informações da Agência Brasil Leia mais

4 de novembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Gleisi repudia ataques de general Augusto Heleno contra Celso Amorim

Gleisi repudia ataques de general Augusto Heleno contra Celso Amorim

A senadora da República e presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PT), usou o Twitter neste domingo (4) para repudiar os ataques do general Augusto contra o ex-chanceler Celso Amorim.

“Repudiamos os ataques do general Augusto Heleno e outros oficiais ao ex-chanceler Celso Amorim. Começa o cerco ao PT. Querem nos interditar como fizeram com o PCB em 1947. Mentem e caluniam. Resistiremos, pela democracia e pelos direitos de nosso povo!”, escreveu Gleisi.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro vai classificar movimentos sociais como terroristas e interditar o PT, diz pesquisadora francesa

Augusto Heleno, que é o indicado do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para ser o seu ministro da Defesa, afirmou ao site ‘O Antagonista’ que Amorim fez “campanha no exterior contra o seu próprio país”.

“É o primeiro ex-chanceler a usar vários diplomatas a ele ligados em uma campanha no exterior contra o seu próprio país, mentindo sobre a prisão de Lula. Atitude impatriótica, vergonhosa e injustificável”, disse ele ao site.

Repudiamos os ataques do general Augusto Heleno e outros oficiais ao ex-chanceler Celso Amorim. Começa o cerco ao PT. Querem nos interditar como fizeram com o PCB em 1947. Mentem e caluniam. Resistiremos, pela democracia e pelos direitos de nosso povo! ... 

Leia mais

31 de outubro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Garçom foi abatido porque teve guarda-chuva confundido com fuzil

Garçom foi abatido porque teve guarda-chuva confundido com fuzil

O governador eleito do Rio Wilson Witzel (PSC) e general Augusto Heleno, possível ministro da Defesa, causaram esta semana porque defenderam abater “criminosos” com atiradores de elites — os snipers, como nos jogos de vídeo game e no cinema.

LEIA TAMBÉM

Witzel vai usar snipers para matar criminosos em favelas do Rio ... 

Leia mais

18 de julho de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Bolsonaro perde o ‘vice’ general e vê tempo de TV diminuir para 8 segundos

Bolsonaro perde o ‘vice’ general e vê tempo de TV diminuir para 8 segundos

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) não terá mais o general Augusto Heleno (PRP) como vice e, consequentemente, perderá quatro preciosos segundos no horário eleitoral no rádio e na TV.

Juntos, PSL e PRP somariam 12 segundos na propaganda eleitoral. Sem a coligação, Bolsonaro contará com apenas 8 segundos. A título de comparação, na eleição de 1989, o então folclórico candidato do PRONA

Enéas Carneiro ... 

Leia mais

17 de julho de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em ‘Meu nome é Bolsonaro’; candidato pode repetir fiasco de Enéas

‘Meu nome é Bolsonaro’; candidato pode repetir fiasco de Enéas

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) anunciou o general Augusto Heleno (PRP) como vice na sua chapa. Juntos, os militares terão apenas 12 segundos no horário eleitoral.

Em 1989, pelo PRONA, Enéas Carneiro (1938-2007) tinha somente quinze segundos no horário eleitoral — três a mais que Bolsonaro — e ficou conhecido pela fala rápida na TV e o bordão “meu nome é Enéas”. Na época, o candidato obteve 360 mil votos e ficou na 12ª posição entre os 21 que disputaram a Presidência da República.

Sem alianças consistentes e sem tempo no horário eleitoral, Jair Bolsonaro terá muita dificuldade para combater narrativas de blocos políticos liderados pelo PT, PDT e PSDB.

As mídias sociais podem ser insuficientes para levar o ex-capitão do Exército para o segundo turno. Leia mais