Senadores golpistas temem cerco ao Congresso, a exemplo de junho de 2013

Com o fim do expediente no trabalho e chegada do início da noite, os golpistas temem que trabalhadores façam um cerco ao Senado.

Desde às 11 horas da manhã desta terça-feira (11), as senadoras ocupam o plenário do Senado em protesto contra a votação da reforma trabalhista.

Gleisi Hoffmann (PT-PR), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Fátima Bezerra (PT-RN), Lídice da Mata (PSB-BA) tomaram a mesa diretiva do Senado “em homenagem” a todas as mulheres brasileiras.

“Destituído” do cargo pelas mulheres, o presidente do Senado, coronel-senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), arrancou o microfone da lapela da senadora Fátima Bezerra que dirigia a sessão da Casa por volta do meio dia.

Ato contínuo, Eunício determinou que as luzes e o microfone do plenário fossem cortados. Entretanto, as senadoras mantêm o local ocupado.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) acusou o correligionário Eunício Oliveira de transformar em “Bataclan” o Senado da República.

Nas redes sociais, o senador paranaense criticou a direção da Casa que proibiu juízes do Trabalho de acessar seu gabinete. Assista:

Veja também  Renan promete respostas na CPI da Covid enquanto Bolsonaro recorre a Malafaia

Comments are closed.