Professor pede para ampliar lockdown no Paraná

O presidente da APP-Sindicato, Professor Hermes Leão, publicou vídeo neste sábado (13/3) denunciando assédio a professores e funcionários de escolas mesmo diante da suspensão das aulas presenciais no Paraná.

As aulas presenciais estavam previstas para começar segunda-feira (15/3), mas foram suspensas em virtude do avanço da covid e da falta de leitos de UTI no estado. A APP-Sindicato vinha pressionando contra o retorno sem a vacinação em massa.

Segundo o dirigente sindical, os educadores estão sendo obrigados a comparecer fisicamente nas escolas embora em algumas localidades, como Curitiba, foi decretado lockdown.

Hermes Leão orienta os educadores a registrar boletim de ocorrência, na polícia, porque, segundo ele, trata-se de uma ameaça à vida.

“Escola é lugar de aprender, não de contaminar”, disse o presidente da APP-Sindicato, que insiste na necessidade de denunciar os abusos.

LEIA TAMBÉM
Municípios do litoral fazem barreiras contra a covid no Paraná

Ratinho é cobrado nas redes sociais pela falta de vacinas no Paraná

Tecnicamente, a APP-Sindicato está em greve contra as aulas presenciais nas 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná.

No entanto, professores e funcionários de escolas não se negam às aulas remotas para os mais de 1,1 milhão de alunos do ensino básico.

“É preciso ampliar o lockdown para limitar a movimentação de pessoas em 90%”, diz Professor Hermes, citando estudos científicos.

Assista ao vídeo: