Covid-19 virou um negócio lucrativo no Brasil

Nunca fez tanto sentido as expressões “indústria da morte” e “necropolítica” quanto agora na pandemia. A covid virou um negócio lucrativo no Brasil.

A face mais pública desse drama vivido por milhares vem sendo mostrado diariamente nas TVs e nas redes sociais: pessoas estão morrendo na porta de hospitais ou postos de saúde sem oxigênio; faltam leitos de UTIs; inexistência de vacinas.

A outra face, ainda oculta, está no preço dos medicamentos para intubação, antibióticos, cujos valores dispararam até 2000% (dois mil por cento). A especulação come solta por aí.

Um dos medicamentos é o remdesivir, liberado esta semana pela Anvisa para pacientes em tratamento.

LEIA TAMBÉM
Ricardo Barros diz que situação “é até confortável” mesmo com 282 mil mortes

Senado aprova até três anos de prisão para quem furar a fila de vacinação

Flávio Dino anuncia compra de 4,5 milhões de doses da vacina Sputnik V

“A indústria farmacêutica privada tripudia sobre a Covid no Brasil e no mundo. Medicamentos tem preço acrescido centenas de vezes. Temos que refletir sobre isso e mudar o que tem que ser mudado”, registrou em seu Twitter o ex-senador Roberto Requião (MDB).

“É a política liberal, do mercado, da livre concorrência. É o capitalismo”, criticou Requião, lamentando que o atual modelo privilegia o negócio ao invés da vida.

Em decorrência da necropolítica, a política da morte do governo Jair Bolsonaro, a indústria da morte prospera em toda sua cadeia –até o final: as funerárias.

Nesta terça-feira (16/3), o Brasil teve 2.842 mortes e 84.362 novos infectados em 24 horas. No total, o país já perdeu 282.127 vidas para a doença e computou 11.603.535 casos de contaminação. Os dados são do mais recente balanço divulgado pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).