Contratação de Moro por consultoria da Odebrecht repercute mal nas redes

Compartilhe agora

Ex-ministro da Justiça de Bolsonaro e ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro, foi contratado como diretor da empresa de consultoria americana Alvarez & Marsal, escritório que atua como administradora judicial da Odebrecht.

A empresa afirma que o ex-juiz vai comandar a área de disputas e investigações a partir de dezembro. O objetivo, segundo o comunicado, é que Moro possa “desenvolver soluções para disputas complexas, investigações e questões de compliance” para os clientes da empresa, com base em sua experiência governamental.

Moro foi diretamente responsável pela destruição de milhões de empregos diretos e indiretos ao criminalizar empresas como a Odebrecht, OAS e outras.

Esse contrato é mais uma das bizarrices da sua carreira.  O deputado Paulo Teixeira (PT) escreveu:

“Nova maneira de ficar rico: quebrar uma empresa e depois ser contratado para a sua recuperação judicial. Foi o que fez Sérgio Moro. Quebrou a Odebrecht e agora foi contratado pela empresa que está fazendo a recuperação judicial.”

A deputada Natália Bonavides (PT-RN) comentou pelo Twitter:

Bom dia. Esta foi a notícia que o ex-juiz da lava jato e ex-ministro de Bolsonaro, Sérgio Moro, tentou que passasse despercebida no domingo de eleição. Ele é o novo diretor da administradora judicial da Odebrecht e informou que não vai se pronunciar sobre.

O jornalista Leandro Demori escreveu:

A consultoria americana Alvarez & Marsal é administradora judicial da Odebrecht, investigada pela Lava Jato. Quanta coisa o Moro sabe sobre a Odebrecht que nós não sabemos? Mas tem gênio que acha que criticar isso é “criminalizar a advocacia”. Ok.

A deputada Erika Kokay escreveu também pelo Twitter:

Moro assume diretoria de empresa de consultoria americana Alvarez & Marsal, escritório que atua como administradora judicial da Odebrecht, empreiteira investigada na Lava Jato. O mesmo que ajudou a destruir agora vai atuar para salvar? O Brasil não é para amadores.”

Sergio Moro usa seu antigo cargo público com informações privilegiadas para lucrar com a consultoria dos EUA. Novidade nenhuma. Pudor também não.

Com informações do G1.

Xô pedágio com outorgavírus!

Abstenção no segundo turno foi de 29,50%, segundo o TSE

Miriam Leitão: “Vitória de Edmilson em Belém é derrota de Bolsonaro”