Curitiba: Consulta Popular declara apoio a Goura e pede unidade das esquerdas

A Organização Consulta popular publicou nesta segunda-feira (14) uma nota oficial em apoio à candidatura do deputado Goura Nataraj (PDT) à Prefeitura de Curitiba.

Segundo a Consulta, a extrema direita bolsonarista estaria representada na candidatura de Rafael Greca (DEM), atual prefeito, e no também deputado Delegado Francischini (PSL). Ambas unidas tacitamente ao governador Ratinho Jr.  (PSD).

Leia a íntegra da nota:

Nota da organização Consulta Popular sobre a unidade da esquerda nas eleições de Curitiba

Diante de uma conjuntura de avanço do conservadorismo e do neofascismo na sociedade e política brasileiras, as eleições municipais de 2020 ganharam um caráter relevante para as organizações progressistas.

Levanta-se diante de nós a responsabilidade de acumular forças para um projeto de sociedade mais justo e democrático, de respeito à vida, aos direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras e de solidariedade popular.

É uma oportunidade de construir alianças e projetos que não visem somente à disputa de cargos, mas que representem um programa de disputa na sociedade. Esse contexto impõe às forças populares o desafio da unidade e da construção de saídas políticas coletivas para a crise que vive o povo brasileiro.

No Paraná, o período recente foi de gestões neoliberais, aliadas a Bolsonaro mesmo que de forma implícita, representadas por Ratinho Júnior (PSD), no governo do estado, e Rafael Greca (DEM), na prefeitura da capital, que implementaram um projeto privatista e empresarial.

A aliança entre esses dois símbolos da velha política tem se consolidado como grande ameaça conservadora com possibilidades de vitória, o que consolidaria a reeleição de Greca por mais quatro anos. Na extrema-direita, o bolsonarista Delegado Francischini (PSL) é a candidatura ainda mais anti-povo.

A unidade das forças populares é um princípio fundamental, submetido às condições históricas, mas, sem dúvida, neste momento essa questão se coloca acima da autoconstrução de nossas organizações.

Construir uma trincheira sólida de resistência contra o neofascismo e seus apoiadores é o grande polo unificador neste momento. Preparar a confiança entre as organizações de esquerda em torno de um projeto para o país e para as cidades é a construção necessária.

Acreditamos que a candidatura de Goura (PDT) reúne as características que nos permitem avançar em uma campanha unitária dos partidos e organizações de esquerda na capital. Pelos seus posicionamentos como vereador e, atualmente, como deputado estadual, mostra-se como um político coerente e defensor dos direitos da classe trabalhadora, da cultura e do direito à cidade.

Este histórico permite que as organizações progressistas e de esquerda, alcançando um leque bastante diverso, tenham condições de realizar uma aliança demonstrativa de uma grande novidade em Curitiba, um verdadeiro salto de qualidade no campo popular.

Uma candidatura unificada da esquerda – em um contexto de profunda derrota ideológica e estratégica dos trabalhadores no período anterior –, auxilia no diálogo com a população, na apresentação de um projeto que não é fragmentado, mas que consegue apresentar as diferenças para o atual projeto para a cidade, de um Greca elitista a um fascista como Francischini.

As forças progressistas têm a possibilidade de fazer frente a esse projeto somente se vencerem a pulverização de candidaturas e apontarem um caminho de unidade!

A construção coletiva que rompa a histórica fragmentação é a única chance de imprimir um outro programa na cidade de Curitiba.

Unidade para avançar!
Unidade para derrotar o conservadorismo!
Pátria Livre, venceremos!

Curitiba, 14 de setembro de 2020

Organização Consulta Popular, instrumento político voltado para a construção de um Projeto Popular para o Brasil

Eleições 2020: PT luta por “frentinha” contra “frente ampla” de Rafael Greca em Curitiba

O candidato do PT à Prefeitura de Curitiba, Paulo Opuszka, disse ao Blog do Esmael que lutará nesta semana para tentar viabilizar uma “frentinha” com os partidos de esquerda para enfrentar o prefeito Rafael Greca (DEM), que conseguiu montar uma “frente ampla” visando continuar no cargo.

“Estamos trocando mensagens com o PSOL, PCdoB, PDT, PV e MDB”, revelou Opuszka. Com exceção do MDB, as demais agremiação apresentaram pré-candidatos, mas, até a próxima quarta-feira (16) último dia de registro das candidaturas, o quadro político ainda pode mudar. Muitas traições são possíveis até lá.

“A ideia é evitar que MDB seja cooptado pelo Rodrigo Maia [presidente da Câmara e dirigente nacional do DEM] e o presidente nacional do MDB, Baleia Rossi, entregue os emedebistas para a direita e o Centrão”, declarou o candidato petista.

De acordo com a lei eleitoral de 2020, 16 de setembro é o último dia para a realização de convenções destinadas a deliberar sobre coligações e escolher candidatos a prefeito, vice-prefeito e vereador. Portanto, Paulo Opuszka, mais do que convencer da viabilidade da frentinha, luta também contra o tempo.

Neste sábado (12), o Blog do Esmael registrou que o prefeito Rafael Greca conseguiu formar uma “frente ampla” na prática com a desistência dos principais players eleitorais da capital paranaense.

Os ex-prefeitos Gustavo Fruet (PDT) e Luciano Ducci (PSB), por exemplo, jogaram a toalha. O deputado Luizão Goulart (Republicanos), a pedido do governador Ratinho Junior (PSD), também desistiu em prol da reeleição de Greca, bem como a deputada Maria Victória (PP), filha de Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo Bolsonaro no Congresso.

Além desses, o deputado Ney Leprevost (PSD), que disputou o segundo turno na eleição de 2016, igualmente arriou a bandeira.

“A frente de esquerda é para combater a extrema direita em Curitiba. Estamos trocando mensagens entre Camila Lanes (PCdoB), Letícia Lanz (PSOL), Renato Mocelin (PV), Goura (PDT) e Roberto Requião (MDB)”, disse Paulo Opuszka, no esforço derradeiro para constituir a “frentinha”.

LEIA TAMBÉM