Prefeito Rafael Greca lidera disputa em Curitiba, diz Paraná Pesquisas

O prefeito Rafael Greca (DEM) seria reeleito já no primeiro turno se as eleições municipais de 2020 fosse hoje, segundo a Paraná Pesquisas.

O instituto divulgou nesta sexta-feira (4) as primeiras sondagens registradas no TRE sobre a corrida eleitoral na capital paranaense. O primeiro levantamento, no mês passado, foi gongado pela justiça eleitoral a pedido da Rede Sustentabilidade.

Em um dos cenários, com menos candidatos, Greca seria beneficiado. A soma dos adversários não alcançaria os 43,6% de intenção de votos do prefeito.

Na simulação com maior número de candidatos à Prefeitura, porém, Ney Leprevost (PSD) e Gustavo Fruet (PDT), com 10,9% e 9,9%, respectivamente, empatariam na disputa pela ida ao segundo turno contra Greca.

A Paraná Pesquisas realizou 800 entrevistas pessoais telefônicas entre os dias 30 de agosto a 3 de setembro de 2020. A margem de erro 3,5% para mais ou para menos. A sondagem está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o nº PR 04183/2020.

Confira os números da pesquisa:

ESTIMULADA – Cenário 1

  • Não sabe 5,5%
  • Nenhum 11,1%
  • Rafael Greca 40,0%
  • Ney Leprevost 10,9%
  • Gustavo Fruet 9,9%
  • Delegado Francischini 8,1%
  • Christiane Yared 4,1%
  • Luizão 3,6%
  • Cida Borghetti 2,3%
  • Dr. João Guilherme do Novo 1,8%
  • Caroline Arns 1,6%
  • Professor Renato Mocellin 0,4%
  • Paulo Opuszka 0,3%
  • Zé Boni 0,3%
  • Letícia Lanz 0,1%
  • Professor Eloy Casagrande 0,1%

ESTIMULADA – Cenário 2

  • Não sabe 5,5%
  • Nenhum 12,5%
  • Rafael Greca 43,6%
  • Gustavo Fruet 12,1%
  • Delegado Francischini 10,1%
  • Christiane Yared 4,5%
  • Luizão 3,8%
  • Cida Borghetti 2,5%
  • Dr. João Guilherme do Novo 2,1%
  • Caroline Arns 1,9%
  • Professor Renato Mocellin 0,5%
  • Letícia Lanz 0,3%
  • Paulo Opuszka 0,3%
  • Zé Boni 0,3%
  • Professor Eloy Casagrande 0,1%

O leitor precisa ter em mente que a pesquisa é um retrato do momento. A campanha eleitoral ainda nem começou. A data de registro das candidaturas foi dilatada para o dia 26 de setembro por causa da pandemia. O horário da propaganda eleitoral gratuita ainda se iniciará no dia 9 de outubro.

Resumo da ópera, segundo a Paraná Pesquisas: o jogo está apenas começando.

LEIA TAMBÉM

Depois de idas ao Nordeste, Bolsonaro cai 8 pontos

Levantamento do PoderData aponta que a estratégia do presidente Jair Bolsonaro de intensificar a agenda de viagens ao Nordeste não deu certo. A pesquisa mostra que a aprovação da administração federal, que vinha em trajetória de alta na região, caiu 8 pontos percentuais no Nordeste.

Passou de 48% para 40% em relação ao último levantamento, realizado de 17 a 19 de agosto. A desaprovação ficou em 50% –, dentro da margem de erro.

As taxas estão abaixo da avaliação nacional: 51% aprovam o governo Bolsonaro e 41% desaprovam.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do site Poder360. A divulgação do levantamento é realizada em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 31 de agosto a 2 de setembro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 509 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Em relação ao trabalho individual de Bolsonaro na Presidência, são 31% dos nordestinos que o avaliam como “ótimo” ou “bom”. Houve queda de 7 pontos em duas semanas. A rejeição do presidente na região ficou estável em 43%.

A avaliação positiva do presidente na região está 7 pontos abaixo da avaliação nacional (39%). Já a rejeição ao seu desempenho está 9 pontos acima da média geral (34%).

Efeito político

A operação política do Planalto tinha como objetivo estabelecer bases e tentar minar a memória positiva do legado dos governos petistas na região. Mesmo embalado pelos efeitos temporários do auxílio emergencial, o presidente Jair Bolsonaro ainda enfrenta forte resistência entre o eleitorado nordestino.

Além disso, o Nordeste sofre com uma alta taxa de desemprego e desalento, resultado da desastrosa política econômica de Paulo Guedes – apoiada por Bolsonaro.

Portanto, como mostra a pesquisa, não foi dessa vez que Bolsonaro conquistou os corações e as mentes da população nordestina.