Witzel libera geral no Rio: futebol, bares, restaurantes e shoppings

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), assinou um decreto ontem (5), que liberal o funcionamento parcial de bares, restaurantes e shoppings centers.

O texto foi publicado em extra do Diário Oficial e dá início à flexibilização do isolamento no estado do Rio devido ao novo coronavírus.

Witzel autorizou a volta do futebol e outros esportes de alto rendimento, desde que sem público.

Abertura no Rio ocorreu no dia que o estado teve 6.473 mortes por Covid-19 e 63.066 casos confirmados.

O governo Witzel sustenta que as decisões foram baseadas em dados que indicam a redução da pandemia no Rio.

A partir deste sábado (6), estão autorizados a funcionar pelo Governo do RJ (algumas medidas dependem também dos decretos das prefeituras):

  • Bares e restaurantes, com limite de 50% de sua capacidade (medida só seria permitida na fase 3 da prefeitura);
  • shopping centers e centros comerciais, das 12h às 20h, com limitação de 50% da capacidade, garantindo fornecimento de álcool em gel 70%. As praças de alimentação também podem reabrir, obedecendo ao limite de 50% da capacidade. Áreas de recreação, cinemas e afins, no entanto, permanecerão fechados (medida só seria permitida na fase 2 da prefeitura);
  • Equipamentos e pontos turísticos, como Cristo Redentor e Pão de Açúcar, também estão autorizados a abrir para o público, respeitando o limite de 50% de sua capacidade de lotação.
    organizações religiosas podem funcionar, desde que seja observada a distância de 1 metro entre as pessoas;
  • parques, para a prática de esportes, desde que não haja aglomeração;
    atividades esportivas individuais ao ar livre, inclusive em praias e lagoas, preferencialmente próximo à residência;
  • atividades esportivas de alto rendimento, como o futebol, desde que sem público e com os devidos protocolos de higienização (medida só seria permitida na fase 3 da prefeitura);
    atividades culturais de qualquer natureza no modelo drive-in;
  • feiras livres de produtos de gênero alimentício, com restrições como distância de barracas de 1 metro e disponibilização de álcool 70%;
  • retorno gradual do transporte intermunicipal de passageiros.

LEIA TAMBÉM

O Brasil reabriu 218 shoppings, mas não tem quem compre por falta de dinheiro

Apesar de ameaça de morte, Boulos reforça convocação para ato em defesa da democracia no domingo

Juristas acionam Justiça contra decreto que flexibiliza quarentena em SP

Covid-19: Plantão da Globo detona Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chamou hoje (6) à noite a Rede Globo de “TV Funerária” por causa dos boletins dos casos do novo coronavírus no País.

‘Acabou matéria do Jornal Nacional’, disse o presidente sobre o atraso dos boletins diários.

Além disso, para ferrar o Jornal Nacional, Bolsonaro determinou que os dados do Ministério da Saúde fosse divulgados somente após as 21h30 –quando o telejornal da Globo terminasse.

O deboche ocorreu em frente ao Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República.

Pois bem, Jair Bolsonaro não contava com a astúcia de William Bonner. O apresentador do JN chamou o “Plantão” e detonou os dados com aquela vinheta diabólica, que assusta ao pegar o telespectador de surpresa.

“Bonner entrando ao vivo no plantão da Globo pra informar os dados que o governo não queria que eles informassem no Jornal Nacional”, anotou Jorge Souza.

Segundo os dados divulgados pelo Ministério da Saúde, o Brasil tem 35.206 mortes e 645.771 casos de coronavírus confirmados nesta sexta-feira.