Lewis Hamilton critica colegas da F-1 por silêncio sobre George Floyd

Publicado em 1 junho, 2020

O hexacampeão mundial da Fórmula 1, Lewis Hamilton, usou seus sociais para criticar seus colegas de profissão pela omissão sobre o assassinato de George Floyd, nos Estados Unidos. O piloto inglês da Mercedes, que é o único piloto negro do grid, declarou que esperava manifestações das “grandes estrelas” da categoria sobre o ocorrido e afirmou que se sente sozinho.

“Eu vejo aqueles de vocês que ficam calados, alguns de vocês são as maiores estrelas, e ainda assim ficam calados no meio dessa injustiça. Nenhum sinal de ninguém na minha indústria, que, é claro, é um esporte dominado por brancos. Eu sou uma das únicas pessoas negras lá e ainda estou sozinho. Pensei que veriam o que aconteceu e que diriam algo sobre isso, mas vocês não podem ficar ao nosso lado. Só sei que sei quem vocês são e eu vejo vocês”, escreveu Hamilton no Instagram.

Na rede social, Hamilton também afirmou que não apoia protestos violentos e saques.

“Não estou com aqueles que saqueiam e queimam prédios, mas com aqueles que protestam pacificamente. Não pode haver paz até que nossos chamados líderes façam mudanças. Não é apenas os Estados Unidos, é o Reino Unido, é a Espanha, é a Itália e todo o mundo. A maneira como as minorias são tratadas precisa mudar. Como você educa os do seu país sobre igualdade, racismo, classismo e que somos todos iguais! Não nascemos com racismo e ódio em nossos corações, isto é ensinado por aqueles que admiramos”, afirmou.

LEIA TAMBÉM:
Curitiba tem ato anti-racista nesta segunda na Santos Andrade; ‘Vidas negras importam’

Grupo Anonymous faz comunicado contra a racismo nos EUA; assista

Indignação pelo assassinato de George Floyd se espalha nos Estados Unidos

George Floyd, um afro-americano, de 46 anos, foi assassinado na última segunda-feira (25) em Minneapolis, capital do estado de Minnesota (EUA), após ser preso pela polícia. Quatro policiais participaram da ação e um deles, Derek Chauvin, se ajoelhou no pescoço Floyd por quase oito minutos.

O caso gerou revolta dentro e fora dos EUA, com diversos protestos nas ruas de grandes cidades americanas que se intensificaram também em outros lugares do mundo. Foi mais um caso de morte de um negro pelas mãos de autoridades brancas.

Chauvin foi preso e será acusado de homícidio culposo, quando não há a intenção de matar. Os outros policiais estão sob investigação.

Com informações do site GP.