Inep admite adiar o Enem; estudantes esperam decisão com ansiedade

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou, nesta segunda-feira (18), um comunicado admitindo que o órgão poderá rever a data do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O Inep destaca, ainda, que, em reunião do Comitê Operativo de Emergência, que foi criado para debater questões relativas à educação durante a pandemia, já foi admitida a possibilidade de alteração no cronograma da prova.

“Foram destaques das discussões, no âmbito desse Comitê, as tratativas empreendidas a respeito do cronograma do Enem 2020, ocasião em que já se demonstrou abertura para nova alteração da data de aplicação das provas, tão logo o cenário fique mais definido, o que se reafirma na presente Nota”, diz o comunicado do Inep, órgão vinculado ao MEC responsável pelo Enem.

A Defensoria Pública da União (DPU) entrou nesta segunda-feira com recurso para que o Tribunal Regional Federal da 3ª Região reveja decisão e adie o cronograma.

O Inep argumenta, no entanto, que o cronograma ainda não foi alterado porque há incerteza em relação ao cenário do país em decorrência da pandemia do novo coronavírus. De acordo com o órgão, também é importante manter a tramitação do edital para que etapas operacionais que antecedem a realização do Enem sejam cumpridas.

LEIA TAMBÉM:

Entidades da sociedade civil alertam para o ‘genocídio de pobres’ durante a pandemia

Ratinho Jr. obriga educadores a reabrirem as escolas do Paraná

Marinho diz ter provas sobre suposto vazamento da PF

“A fixação de uma data não a torna imutável, ainda mais no atual momento. Ocorre que os diversos fatores que influenciarão na potencial alteração do calendário originalmente estabelecido ainda continuam incertos, em imprevisibilidade que obsta qualquer modificação neste momento, já que, como é de conhecimento geral, ainda estamos enfrentando a situação de emergência de saúde pública de importância internacional decorrente da COVID-19”, diz o órgão.

A decisão é esperada por milhões de estudantes, com ansiedade, em todo o país.