PSB se movimenta pelo impeachment de Bolsonaro

Diante das declarações do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tenta interferir politicamente na Polícia Federal, a bancada do PSB na Câmara trabalha para que ele compareça ao Parlamento para prestar esclarecimentos. A Legenda também decidiu que entrará nesta segunda-feira (27) com o pedido de impeachment contra o presidente da República por considerar que ele não respondeu de forma convincente a nenhuma das acusações.

Líder do PSB na Câmara, o deputado Alessandro Molon (RJ), disse em suas redes sociais estar claro que Bolsonaro demitiu o chefe da Polícia Federal para frear as investigações que avançam sobre seus filhos, e que ele nunca quis o fim da corrupção. Além disso, o socialista afirmou que o presidente da República só trabalha em prol da própria família e da reeleição. Enquanto isso, o Brasil continua sem governo.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaristas queimam camisas com imagens de Moro

Ministros Guedes, Tereza Cristina e Tarcísio participam de ‘live’ com Bolsonaro; assista

Carluxo na Federal

Molon afirmou também que é lamentável iniciar um processo de impeachment no meio de uma crise tão grave da Saúde no Brasil, que já deixou mais de 4 mil brasileiros mortos.

“Infelizmente, considerando os crimes cometidos pelo presidente, e considerando que nossa omissão poderia tornar os efeitos da crise ainda mais graves, não há outra saída”, avaliou.

CPI
O deputado paranaense Aliel Machado apresentou o primeiro pedido para abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as afirmações de Moro, de que houve a tentativa de interferência do presidente da República para fins pessoais, na tentativa de proteger a si mesmo e sua família de eventuais investigações criminais.

“As afirmações [de Moro] são graves e precisam ser investigadas”, defendeu ao anunciar o pedido de abertura da CPI.

Com informações do PSB.