Coronavírus: ONG cria ‘renda mínima’ para travestis e transgêneros em BH


Travestis e transgêneros que atuam como profissionais de serviços sexuais em Belo Horizonte terão uma “renda mínima” durante pandemia de coronavírus (Covid-19). O benefício foi anunciado na noite de quinta-feira (19) pela ativista Duda Salabert e será concedido pela ONG Transvest.

A ajuda financeira, no valor de R$ 100 mensais, será disponibilizada a 90 travestis e transexuais da capital mineira. Às idosas, o valor repassado será de R$ 200. Por ora, a renda mínima mínima está garantida para os meses de março e abril.

A ONG, dirigida por Duda Salabert, também prestará auxílio psicológico para os travestis e transgêneros mediante agendamento via WhatsApp. A iniciativa é pioneira no país.

Ver essa foto no Instagram

90% das Travestis e transexuais do país estão na prostituição. Nesse contexto do Coronavírus, a @ongtransvest adotará duas medidas para ajudar as travestis e transexuais de BH: . . ?Renda mínima trans: transferiremos 100 reais mensais para 90 travestis e transexuais de BH . Para travestis idosas, o valor mensal é de 200 reais. . . . ?Precisamos e queremos ajudar mais travestis. Ajude a nossa vaquinha : https://evoe.cc/transvest . . . ? Ofereceremos atendimento psicólogico gratuito para as pessoas trans. Os atendimentos ocorrerão virtualmente e está sendo organizado por nossa maravilhosa e experiente psicóloga @patriciasoliveira85 . . . Se vc pessoa trans precisa da ajuda psicológica ou da renda mínima, mande mensagem para o seguinte whatsapp: 31 99398 35 71 . . . . ?✊Ajude financeiramente. Ajude também compartilhando ou comentando esse vídeo.

Uma publicação compartilhada por Duda Salabert (@duda_salabert) em

LEIA TAMBÉM:

Grupos no WhatsApp convocam 4º panelaço da semana contra Bolsonaro

“No atual momento do coronavírus, é indicado o distanciamento social. Essa medida, apesar de ser extremamente importante, traz inúmeros impactos para nós, travestis e transexuais. É importante lembrar que, no Brasil, 90% dessas pessoas está na prostituição, pois há uma transfobia odiosa que nos expulsa do mercado de trabalho. Nesse sentido, o distancimento social pode significar o fim da única renda das pessoas trans no país. Nós, da ONG Transvest, queremos minimizar esse cenário em Belo Horizonte”, escreveu Duda em sua conta no Instagram.

*Com Informações do perfil do Instagram de Duda Salabert/Jornal Estado de Minas