Executivos do grupo Petrópolis viram réus na Lava Jato

Publicado em 29 fevereiro, 2020

Dono da cervejaria Petropolis, Walter Faria.
O Ministério Público Federal informou nesta sexta-feira que a 13ª Vara Federal de Curitiba aceitou denúncia da Lava Jato contra executivos da cervejaria Petropólis, entre eles o dono, o empresário Walter Faria, acusados de esquema de lavagem de dinheiro que movimentou mais de 1 bilhão de reais entre 2006 e 2014.

A denúncia, contra mais de 20 pessoas, foi feita em dezembro do ano passado, como resultado da 62ª fase da operação Lava Jato, “que apurou o envolvimento de executivos do grupo Petrópolis na lavagem de dinheiro desviado de contratos públicos, especialmente da Petrobras, pela Odebrecht”, informou o MPF em comunicado à imprensa.

.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonavírus tem como alvos preferenciais mulheres, pobres, pretos, nordestinos e LBGTs, diz Haddad

Globo anuncia trégua com Bolsonaro em nome da “reforma administrativa”

Bolsonaro amanhece o dia com nova fake news: “o setor industrial voltou a gerar empregos”

.

Não ficou claro a ligação entre o grupo de cervejarias e contratos de sondas da Petrobras na comunicação do MPF.

“De acordo com documentação encaminhada pela Suíça, foram identificadas 38 offshores distintas com contas bancárias no EFG Bank… Mais da metade dessas contas permaneciam ativas até setembro de 2018”, afirmou o MPF.

Procurado pela Reuters, o grupo Petrópolis afirmou que o empresário Walter Faria “prestou todos os esclarecimentos necessários às autoridades competentes -, o que fará outra vez, em juízo, para demonstrar a improcedência da acusação”.

.

As informações são da Agência Reuters.