Roberto Alvim confessa perseguição a servidor que não gosta de Bolsonaro

O secretário especial da (falta de) Cultura de Bolsonaro, Roberto Alvim, manifestou abertamente perseguição a um servidor concursado da Fundação Casa Rui Barbosa pelo Twitter.

Alvim fez uma postagem dizendo que não podia demitir o servidor Christian E. C. Lynch por ele  ser concursado. Mas classificou como execráveis suas ideias sobre o presidente Bolsonaro. Ele também afirmou que retirou sua função gratificada por esse motivo. 

Ou seja, se os bolsonaristas pudessem, demitiriam todos os servidores que não gostam do presidente.

Confira o tuíte de Alvim e o comentário de Wadih Damous:

LEIA TAMBÉM
Ancine censura cartazes de filmes e faz ‘filtro’ de notícias no site

Em Lisboa, Wagner Moura diz que há censura no Brasil

Fernanda Montenegro sobre a censura: ‘Nenhum sistema vai nos calar’

Bolsonaro é responsável por mais da metade dos ataques a jornalistas em 2019, aponta relatório