Lula: “Bolsonaro não tem medido esforços para provar que é um lambe-botas dos EUA”

Publicado em 8 janeiro, 2020
Compartilhe agora!

Em sua primeira entrevista no ano, concedida ao Diário do Centro do Mundo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou a respeito da atual crise desencadeada após o ataque dos Estados Unidos que matou o general iraniano Qassem Soleimaini e alertou: “A época não é própria para uma país como o Brasil se meter em confusão, em uma briga externa”.

LEIA TAMBÉM:
Não à guerra. Nossa bandeira é a paz! Por Milton Alves

Por Israel, Bolsonaro estuda envio de tropas no Oriente Médio

Veículos da mídia tradicional fecham os olhos para ataques de Bolsonaro, diz Fenaj

“Na relação internacional sempre são dois interesses: o seu e o do outro. Você tem que sempre equilibrar o deles com o seu”, pontuou. “Bolsonaro não tem medido esforços para provar que é um lambe-botas dos Estados Unidos.”

“O Brasil é um país que não tem contencioso, o último foi com a Guerra no Paraguai. O país pode ser considerado um construtor de harmonia, de paz”, pontuou Lula. “Diferentemente dos Estados Unidos, que vivem procurando confusão, e quanto mais longe do seu território, melhor.”

O ex-presidente lembrou ainda da tentativa do Brasil costurar um primeiro acordo nuclear com o Irã, delimitando a diferença de postura diplomática entre seu governo e o atual. “Lembro que em 2009 fui com o (ministro das Relações Exteriores) Celso Amorim ao Irã para negociar a questão das armas nucleares e o enriquecimento de urânio. E aquilo que era impossível, dito pelo Obama, pelo (Nicolas) Sarkozy, pelo Gordon Brown, Angela Merkel, se tornou possível na medida em que o Brasil foi corajoso. Eu e o Celso fomos conversar com o (Mahmoud) Ahmadinejad, com o Ali Khamenei, fizemos uma parceria com o Erdogan da Turquia e nos dois dias em que ficamos em Teerã conseguimos um acordo, que também era do interesse dos Estados Unidos e da Europa.”

No entanto, segundo ele, o acordo acabou não sendo sacramentado em parte por conta do incômodo causado pelo Brasil ter tido uma posição de protagonismo nas negociações. “Quando construímos o acordo em Teerã, o Obama traiu o bom senso e decidiu aumentar as punições contra o Irã para, dois anos depois, construir um acordo infinitamente pior do que o que nós fizemos.”

Interesses eleitorais de Trump
Lula acredita que há interesses político-eleitorais no ataque promovido pelo governo Trump. “Os Estados Unidos precisam de inimigo sempre. Isso está me cheirando à campanha eleitoral”, destacou.

“Uma vez encontrei com o (Bill) Clinton em Davos, mais ou menos em 2003, e perguntei a ele se o Bush iria invadir o Iraque. E o Clinton me disse: olha, Lula, nos Estados Unidos a gente não costuma dar palpite no governo. Mas queria te dizer uma coisa: o Bush é um animal político, tem pesquisa. Se as pesquisas forem favoráveis a uma invasão no Iraque, ele vai fazer. Ele fez e ganhou a reeleição.”

O ex-presidente alertou, contudo, que se aventurar em um conflito bélico contra os iranianos não é tão simples. “O Irã não é um país qualquer, tem uma tradição cultural milenar, tem vizinhos poderosos, a China e a Rússia têm interesses no Irã. E qual o papel de um país como o Brasil nisso? Não se meter.”

Lula chamou a atenção para os riscos comerciais envolvidos. “O Brasil tem um superávit comercial com o Irã de US$ 2,2 bilhões, pode exportar muito e ser parceiro tanto do Irã como dos Estados Unidos”, destacou. “O Brasil não tinha que cair de joelhos nos pés do Trump e logo concordar que o ataque ao general era um ataque a um terrorista. Até porque o cidadão era oficialmente um general, conhecido por todo mundo na região.”

Por RBA

Compartilhe agora!