Justiça suspende privatização da Copel Telecom

Publicado em 14 janeiro, 2020
Compartilhe agora!


O Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ-PR) suspendeu o processo de privatização da Copel Telecom iniciado pelo governo de Ratinho Jr. O governo estadual pretende privatizar a empresa ainda este ano e contratou sem licitação o Banco Rothschild para formatar a venda da empresa.

A empresa, um braço da Copel na área das telecomunicações, é a responsável pelo fornecimento de internet via fibra ótica para todo o estado.

Segundo o governador Ratinho Jr. não há motivo para o estado do Paraná manter a empresa, mesmo ela sendo eficiente, saudável e lucrativa.

“Não há justificativa para o estado ter duas companhias que atendem só ao setor privado. A Copel Telecom não tem como disputar com as maiores do mundo, que estão todo dia colocando dinheiro em uma velocidade muito maior. Não tem por que a gente manter esse ativo sendo que está faltando dinheiro para outras áreas. É uma bobagem”, disse o Ratinho.

LEIA TAMBÉM:

Privatização da Copel Telecom gera polvorosa no Paraná

Brasil inaugura nova base na Antártida que teve início em 2012

A decisão atende recurso de Agravo de Instrumento na Ação Popular que requer a suspensão e posterior anulação do contrato entre a Copel e o Banco Rothschild que tem por objetivo a elaboração de estudos para a privatização da Copel Telecom S.A.

O desembargador Luiz Taro Oyama acolheu os argumentos apresentados pelos autores da ação, determinando a suspensão da vigência e da execução do contrato. “Está demonstrada a verossimilhança das alegações, no que se refere à necessidade da realização de procedimento licitatório, uma vez que, em se tratando de sociedade de economia mista, a princípio, não há justificativa para a sua inexigibilidade”, concluiu o desembargador.

Duas corporações chinesas manifestaram interesse na compra da Copel Telecom.

Compartilhe agora!