Estados Unidos e China assinam acordo comercial nesta quarta


Os governos dos Estados Unidos e da China assinam a primeira fase de um amplo acordo comercial nesta quarta-feira (15). O presidente Donald Trump e o vice-premiê chinês, Liu He, assinarão um acordo inicial que vai assegurar um maior volume de compras chinesas de produtos manufaturados, agrícolas, energia e serviços dos EUA.

A fase 1 do acordo encerra 18 meses de conflitos tarifários entre as duas maiores economias do mundo que afetou centenas de bilhões de dólares em produtos, prejudicando os mercados financeiros e canais de oferta e desacelerando o crescimento global.

Trump e Liu vão assinar o documento de 86 páginas em um evento na Casa Branca diante de mais de 200 convidados do setor empresarial, do governo e de círculos diplomáticos.

O ponto central do acordo é uma promessa da China de comprar mais US$ 200 bilhões em produtos dos EUA ao longo de dois anos para reduzir o déficit comercial bilateral dos EUA que chegou a US$ 420 bilhões de dólares em 2018.

Uma fonte com conhecimento do acordo disse à Reuters que a China prometeu comprar mais US$ 80 bilhões em produtos manufaturados dos Estados Unidos ao longo dos próximos dois anos, incluindo aeronaves, carros e autopeças, maquinário agrícola e aparelhos médicos.

LEIA TAMBÉM:

G20 encerra com ‘nem paz, nem guerra’ entre EUA e China

A China também aumentará as compras de energia em cerca de US$ 50 bilhões e serviços em US$ 35 bilhões, enquanto as compras agrícolas subirão US$ 23 bilhões nos dois anos, tudo comparado com um cenário básico de exportações dos EUA à China em 2017, disse a fonte.

A Fase 1 do acordo, alcançada em dezembro, cancelou as tarifas planejadas dos EUA sobre telefones celulares, brinquedos e laptops fabricados na China e reduziu pela metade, a 7,5%, a tarifa sobre cerca de 120 bilhões de dólares em outros produtos chineses, incluindo televisores de tela plana, fones de ouvido Bluetooth e calçados.

Mas os Estados Unidos vão manter tarifas de 25% sobre uma vasta gama de 250 bilhões de dólares em bens e componentes industriais chineses usados pela manufatura norte-americana.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse na véspera que as tarifas sobre produtos chineses vão permanecer até à segunda fase do acordo comercial EUA-China.

*Com agências e G1