Blog do Esmael

Últimas notícias da política em tempo real

França: 17º dia de greve contra a reforma da Previdência de Macron

Compartilhe agora


A paralisação na França contra o projeto de reforma do sistema de aposentadorias do governo Macron completou neste sábado (21) o seu 17º dia consecutivo. O impasse continua entre os sindicatos e o governo e tudo indica que o movimento vai continuar durante o período entre o Natal e a chegada do Ano Novo.

O transporte público segue como o mais afetado pela greve, em particular os trens internacionais e os que circulam entre regiões e cidades, bem como o metrô de Paris, em uma jornada na qual muitas famílias viajam pelas férias natalinas e de fim de ano.

Também os setores da educação, saúde, o serviço de eletricidade e os serviços de manutenção do trânsito continuam em greve contra a adoção do sistema por pontos, que substituiria os 42 regimes atuais de pensões, prolongando o tempo de contribuição para a Previdência pública.

No Palácio de Matignon, o premiê Edouard Philippe recebeu na quarta-feira e na quinta-feira desta semana os líderes sindicais opostos à reforma e as federações patronais, mas o diálogo não produziu resultados significativos, apesar dos “progressos” declarados pelo mandatário.

A Intersindical, que encabeçada pela influente Confederação Geral do Trabalho (CGT) aglutina as organizações que recusam em bloco o projeto governamental e exigem sua anulação, descartou uma trégua na paralisação e adiantou uma nova mobilização nacional para o 9 de janeiro.

LEIA TAMBÉM:

França: Greve afeta viagem de Natal de quase 50% dos passageiros de trens

Seria a quarta grande jornada de protestos, após as celebradas a 5, a 10 e a 17 de dezembro, esta última com mais de 1,8 milhão de franceses nas ruas, segundo os sindicatos.

A Confederação Francesa Democrática do Trabalho (CFDT), de perfil moderado e próxima ao oficialismo, declarou-se igualmente insatisfeita com o diálogo, já que o executivo não cedeu – pelo momento- na idade de equilíbrio (62 para 64 anos), a única divegência que reclama a poderosa entidade, uma das pouquíssimas partidárias do sistema universal por pontos.

O governo enfatiza que sua reforma trará justiça social e deu alguns sinais de fazer concessões, sobretudo quanto à polêmica idade de 64 anos para poder ser aposentado com todos os benefícios, um passo que de adotá-lo, como muitos preveem, colocaria de seu lado à CFDT, dividindo a um movimento sindical com diversidade de posturas e interesses em seu seio.

*Com Prensa Latina/Tradução Blog do Esmael

Autor: Esmael Morais

Esmael Morais, jornalista e bacharel em Direito, é autor do Blog do Esmael desde 2009. É uma página independente, plural e suprapartidária, que oferece conteúdos gratuitos sobre política, direito e cidadania em tempo real. É um dos blogs especializados em política mais lidos no Brasil. Tudo sobre eleições 2020, a corrida pelas prefeituras municipais, a disputa pela Presidência da República, em 2022, e pelos governos estaduais, Senado e Câmara.

Comentários desativados.