Por Esmael Morais

Cortes na educação e briga com militares impulsionaram rejeição a Bolsonaro

Publicado em 12/05/2019


O aumento da avaliação negativa do governo de Jair Bolsonaro, revelado na sexta-feira (10) pela pesquisa XP Ipespe, já havia sido detectado por especialistas que estudam o comportamento das pessoas nas redes sociais.

A startup Arquimedes, que faz análise política com base nas redes e criou um índice de sentimento em relação ao governo, constatou uma migração de antigos apoiadores para uma atitude mais crítica em relação ao governo.

Dois episódios teriam impulsionado o aumento da rejeição do governo nas redes, segundo os analistas da Arquimedes: a crise entre Olavo de Carvalho, guru de Bolsonaro, e os militares e os cortes anunciados na Educação.

O ISA (Índice de Sentimento Arquimedes), criado pela startup, caiu de 48 pontos positivos, em janeiro, para 39 em maio. A queda se deu principalmente pela migração de internautas neutros para o grupo dos negativos.

Na pesquisa XP Ipespe, o índice de ótimo e bom do governo permaneceu estável em 35%, em comparação ao do mês de abril. Já o percentual de ruim e péssimo subiu de 26% para 31%, enquanto o grupo dos que consideravam o governo regular ou não opinavam caiu.

*Com informações da coluna Painel