Aumento dos combustíveis provoca desemprego nos postos de gasolina

A política de reajustes sucessivos nos preços dos combustíveis, adotada pelo governo golpista de Temer/PSDB afeta a todos. Entre os prejudicados, estão os frentistas – que já enfrentam desemprego no setor devido à queda de movimento nos postos de gasolina.

“Essa política de preços está mexendo com nossa categoria. Somada à nova lei trabalhista, temos um quadro extremamente preocupante, com precarização e demissões. Esse também é um dos motivos da nossa dificuldade em fechar os acordos coletivos”, afirma Eusébio Pinto Neto, presidente da Federação Nacional dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo (Fenepospetro).
Em entrevista à Rádio Web Agência Sindical, o dirigente adiantou que essa é uma das preocupações que representantes da categoria levarão ao ministro do Trabalho, Helton Yomura, em audiência na próxima quarta (23). “Vamos pedir que o ministério atue junto ao governo. Afinal de contas, uma das atribuições da Pasta é salvaguardar o emprego”, diz.Eusébio Neto alertou que, se essa política de preços continuar, a situação “ficará cada vez mais complicada” para os frentistas.
Na sexta, o governo anunciou mais um aumento: diesel em 0,80% e gasolina em 1,34% nas refinarias a partir do sábado (19). Foi o quinto reajuste realizado somente na semana passada.