O PT estaria preparado para uma “transfusão de sangue” na eleição presidencial?

Publicado em 26 janeiro, 2018
Compartilhe agora!

Embora caciques nacionais petistas neguem de pés juntos, em público, que não existe “Plano B” e sustentem que só há o “Plano L“, não se fala outra coisa no PT — da direção à base — senão sobre alternativas ao nome do ex-presidente Lula. A pergunta cuja resposta vale um milhão de dólares é a seguinte: estaria o partido preparado para receber uma “transfusão de sangue” em pleno processo eleitoral de 2018?

A condenação pelo TRF4 a 12 anos e um mês de prisão, no caso tríplex, por injusta que seja a decisão dos desembargadores de Porto Alegre, tira Lula do páreo. Este foi o projeto do consórcio midiático-jurídico-financeiro desde o início do golpe. É a mais pura realidade.

O TRF4 conseguiu desarrumar o PT ao tirar Lula do jogo presidencial deste ano. Abriu-se uma disputa interna pelo poder que pode fulminar o partido em outubro. Por isso alguns dirigentes petistas já fazem a pergunta cuja resposta vale um milhão de dólares: “estaria o partido preparado para receber uma emergencial “transfusão de sangue” em pleno processo eleitoral?”

O nome do ex-prefeito paulistano Fernando Haddad como “solução caseira” para 2018 foi descartada pelo próprio. Ele jurou que não é o “Plano B” do PT na eleição de outubro.

Por outro lado, cogitou-se recentemente a “filiação democrática” do senador Roberto Requião ao PT, numa frente ampla, em nome da construção de um projeto de desenvolvimento nacional. O emedebista circula fácil na base petista. Em Porto Alegre, por exemplo, durante o julgamento de Lula, o senador fora bastante requisitado pela militância para selfies nos acampamentos que visitou.

Mas a “transfusão de sangue” para 2018, além de Requião, bem lembrado pelo colunista Ricardo Cappelli, também poderia ser feita com outros “doadores” que estão na pista da esquerda. A saber: Manuela D’Ávila, Ricardo Coutinho, Jaques Wagner, Ciro Gomes, Luiza Erundina e Edmilson Rodrigues.

A questão é: o PT estaria preparado para essa “transfusão de sangue” emergencial nos próximos dois meses? São dilemas que estão sendo discutidos neste momento.

Compartilhe agora!

Comments are closed.