Líder nas pesquisas, Lula reafirma referendo revogatório e regulação da mídia

O ex-presidente Lula reafirmou nesta sexta-feira (15), em Piracicaba (SP), durante evento contra retrocessos na educação, que realizará referendo revogatório — para leis de Michel Temer que prejudicaram os trabalhadores — e a regulação da mídia, sobretudo na questão da propriedade cruzada dos meios de comunicação.

“Agora eles querem desmontar a Petrobras porque eles querem que o petróleo não seja usado a favor do povo brasileiro”, criticou o petista ao fundamentar o referendo revogatório das privatizações do pré-sal.

O petista disse que é preciso colocar a soberania nacional na pauta. “Esse país não pode ter mais complexo de vira latas.”

“Tem gente que só veste camisa amarela quando é pra protestar contra o PT. E depois os ‘nacionalistas’ vão fazer compras em Miami”, provocou.

Lula se comprometeu ainda a federalizar o ensino médio, democratizar os meios de comunicação e isentar os trabalhadores que ganham até R$ 5 mil de pagar imposto de renda sobre o salário.

“O Banco Mundial já começou a dar palpite aqui. Dizer que investir em estudante é gastar demais”, denunciou.

Lula defendeu a previdência pública dos ataques especulativos dos bancos: “Quer resolver o problema da Previdência? É só gerar emprego, aumentar salário. Fala que a Previdência é deficitária? Deficitária é a competência deles.”

O ex-presidente também espezinhou o juiz Sérgio Moro, que o condenou na primeira instância a 9 anos e meio de prisão, no caso do tríplex de Guarujá (SP), cuja apelação será julgada pelo TRF-4 no dia 24 de janeiro em Porto Alegre.

“O Moro reconheceu que o apartamento não era meu. Que não tinha nada a ver com a Petrobras. Ainda vou ver o William Bonner comunicar que as denúncias contra o Lula eram falsas”, ironizou.

“Eles têm até o dia 24 de janeiro pra encontrar uma prova de um crime. Eles não tiveram coragem de pedir desculpas”, desafiou.

Lula pediu para que todos levantem a cabeça e que comecem a lutar.

Assista ao vídeo:

Comentários encerrados.