Beto Richa “abalado emocionalmente” censura professores na Justiça do Paraná

O governador Beto Richa (PSDB) conseguiu uma liminar na Justiça censurando professores que expuseram as “vísceras” dele em outdoors acerca da Operação Quadro Negro.

Se dizendo “abalado emocionalmente”, Richa pediu R$ 47 mil de indenização à APP-Sindicato devido à exposição de fatos sobre a “Operação Quadro Negro” envolvendo o nome dele.

O Juiz Marcos Vinícius da Rocha Loures Demchuk havia negado o pedido de liminar à Richa na primeira instância, mas o Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) deu razão ao governador do PSDB.

Para o desembargador Jorge de Oliveira Vargas, os outdoors da APP carregam “nítido excesso da liberdade de expressão bem como abuso da mesma”.

Na prática, o TJPR censurou a APP-Sindicato e os professores ao afirmar que houve “excesso” da liberdade de expressão (sic).

Ora, informações de delações homologadas pelo STF, veiculadas à exaustão na mídia, revelam detalhes sobre o suposto envolvimento do governador Beto Richa na Operação Quadro Negro. Por que a censura justamente aos educadores?

De acordo com o empreiteiro Eduardo Lopes, dono da Construtora Valor, cuja delação foi homologada pelo ministro do STF Luiz Fux, foram simuladas construção de escolas para desviar recursos da educação visando abastecer campanhas eleitorais no Paraná. Segundo ele, Beto Richa dava o “ok” para os desfalques. O Ministério Público estima em R$ 20 milhões os valores surrupiados do erário.

O Blog do Esmael registrou em primeira mão, no início de junho de 2015, o escândalo e a consequente queda da cúpula da Educação do Paraná na época.

PS: o Blog do Esmael, tão perseguido e censurado pelo mesmo tucano, se solidariza com a APP-Sindicato e os educadores paranaenses.

Comentários encerrados.