Bate na trave título de cidadão honorário para Beto Richa em Toledo (PR)

Graças ao barulho organizado pela educadora Simone Regina Checchi, a Câmara Municipal de Toledo, no Oeste do Paraná, não conseguiu aprovar o título de cidadão honorário ao governador Beto Richa (PSDB).

Ouça a explicação dela:

Download do áudio

Recém-eleita secretária de Política Sindical da APP-Sindicato, Simone levou sua indignação à polêmica sessão no legislativo toledano na última segunda-feira (9). Após 7h40 de debates, os vereadores locais resolveram adiar a votação que poderá ou não conceder a honraria máxima do município ao tucano.

Se não houver “golpe” disfarçado de sessão extraordinária, os vereadores voltarão ao explosivo título no próximo dia 6 de novembro.

Durante o fim de semana, na véspera da sessão na Câmara, o Observatório Social de Toledo recomendou que o título de cidadão honorário fosse adiado até que Beto Richa comprovasse que ‘não roubou nem deixou roubar’ no governo do Paraná. O governador é réu em ao menos três ações penais no Superior Tribunal de Justiça. A saber: Publicano (corrupção na Receita Estadual); lava jato (Odebrecht); e Superagui (licenças ambientais).

Justiça seja feita. Além de Simone, outra mulher “porreta” jogou importante papel para barrar a honoraria a Richa. Trata-se da vereadora Marli do Esporte (PCdoB) que, solitariamente, se posicionou contrária à concessão do título porque, segundo ela, o envolvimento do governador tucano na Operação Quadro Negro e o recente congelamento por dois anos de avanços dos servidores públicos do estado “não o qualificam” para a honraria máxima. Também é necessário reconhecer a participação de servidores municipais e professores da rede estadual na manifestação que lotou o plenário da câmara toledana.

Os títulos de cidadão honorário viraram a nova obsessão de Beto Richa em sua pré-campanha ao Senado em 2018. Por isso o Palácio Iguaçu determinou que aliados do tucano saiam à caça dessas honrarias nos quatro quantos do estado.

“A indicação do título para Beto Richa partiu do deputado Schiavinatto, da bancada do camburão, ex-prefeito de Toledo”, conta a diretora da APP.

O Observatório Social de Toledo espera obter os votos dos vereadores Olinda Fiorentin (PPS), Marly Zanete e (PSL) Gabriel Baierle (PTB) contra a “farra dos títulos honorários” na cidade. As duas primeiras são funcionárias públicas e, por isso, sensíveis às denúncias de corrupção que pairam sobre os “agraciados”; já o último tem base política na juventude, também indignada com a transformação da Câmara em “porta de cadeia”.

Nesta segunda-feira (16), os vereadores votarão em segundo turno a concessão do título de Cidadania Honorária e Medalha Willy Barth ao ministro da Saúde Ricardo Barros (PP). Na primeira votação, na segunda (9), 10 parlamentares votaram favoravelmente à honraria e 8 foram contrários.

“Seria muito triste, uma vergonha, se os vereadores concederem esses títulos como ‘presente’ de Dia dos Professores”, a educadora Simone Regina Checchi.

Assista ao vídeo da manifestação na Câmara de Toledo:

Comentários encerrados.