‘Bancada do Camburão’ provoca professores reelegendo nesta 2ª Traiano presidente da ALEP

O presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano (PSDB), deverá ser reconduzido ao cargo nesta segunda-feira (17) pela ‘Bancada do Camburão’ – aquela que brilhou durante o massacre dos professores em 29 de abril. A eleição coincidindo com a greve dos educadores parece ser uma provocação ao magistério e aos estudantes que levaram bomba há pouco mais de um ano no Centro Cívico.

Naquele fatídico dia, o deputado Márcio Pauliki (PDT) denunciou da tribuna da Assembleia: “Senhor presidente, nós temos sangue na rampa. Tem sangue de repórter, sangue de deputado, e principalmente, sangue do povo lá fora. Tem sangue lá fora…”.

O deputado Ney Leprevost (PSD), que disputa o segundo turno em Curitiba, de dedo em riste, apontava para Traiano dizendo ser covardia o ataque aos professores com bombas.

“Covardia isso. Covarde! Covarde! Covarde! Bandido! Bandido! Bandido!”, gritava Ney, referindo-se ao presidente da Assembleia e ao governador Beto Richa (PSDB), que havia determinado o uso da violência que deixou 213 educadores feridos.

“E nós vamos tocar a sessão porque eu não tenho responsabilidade pelo que acontece lá fora”, respondeu Traiano, que ainda emendou: “A bomba não é aqui dentro. Então, vamos votar”.

Naquele dia a ‘Bancada do Camburão’ autorizou Richa confiscar a poupança previdenciária de R$ 8 bilhões de todos os servidores.

Nos próximo dias, depois de reeleger Traiano, a mesmíssima ‘Bancada do Camburão’ vai planeja aprovar a mensagem 403, que revoga a lei que criou a data-base e a reposição inflacionária para o funcionalismo público.

Ademar Traiano será reeleito em chapa única.

Haja sadismo!

traiano_massacre_richa

Comentários encerrados.