Coluna do Requião Filho: O fantasma da privatização ronda a Copel e a Sanepar

fantasma

Em sua coluna semanal, o deputado estadual Requião Filho (PMDB) enumera uma série de medidas desde o primeiro governo Beto Richa (PSDB) que estariam abrindo caminho para a privatização da Copel e da Sanepar. Segundo o deputado, esse é um dos principais objetivos do atual governador, entregar o patrimônio dos paranaenses para a iniciativa privada. Leia, ouça, comente e compartilhe!

Download

Requião Filho*

Desde que assumiu seu primeiro mandato, Beto Richa (PSDB) vem de mansinho tentando alcançar um objetivo sorrateiro que já virou obsessão; privatizar a Copel e a Sanepar. Se olharmos bem de perto, podemos perceber que ele armou uma teia complexa e ardilosa. No primeiro ano de governo, as duas empresas dobraram a distribuição dos lucros aos sócios privados e intensificaram serviços de terceirização.

Uma das últimas tentativas foi um artigo escondido, um texto nas entrelinhas do último pacotaço, enviado à ALEP, que autorizava o executivo a vender ações das empresas estatais, sem autorização legislativa. Por sorte, o texto foi visto a tempo de ser retirado do projeto final.

Viajando pelo túnel do tempo, encontramos evidências ainda mais cabulosas desta fixação pela privatização defendida pelos tucanos. Quando Jaime Lerner assumiu o governo do Paraná, em 1995, o Estado era detentor de 85% das ações da Copel. Ao entregar o cargo, oito anos depois, restavam apenas 31% das ações da energética para o governo do Estado.

O mesmo aconteceu com as Parcerias Público Privadas, as PPP´s, que, anos mais tarde alienou 35 milhões de ações da Sanepar e estas simplesmente desapareceram das mãos do Estado.

O que fica evidente com esta sucessão de fatos é que Richa não vai descansar enquanto não entregar o patrimônio público à iniciativa privada. Está aprimorando suas estratégias e a intenção fica ainda mais explícita com detalhes de suas ações.

Por fim, outro exemplo é uma resolução publicada no Diário Oficial esta semana, que cria uma conta de remuneração de recursos de vendas de ações para o orçamento de 2016. Ou seja, eles ainda não desistiram e não vão descansar enquanto não criarem um jeito de vender o Paraná. Endividado já está, falta só a placa de Vende-se no topo do Pico do Marumbi.

*Requião Filho é advogado, deputado estadual pelo PMDB, vice-líder da oposição na Assembleia Legislativa do Paraná, especialista em políticas públicas.

Comentários encerrados.