Sobre o movimento pela redução de salários de vereadores e deputados

Movimento pela redução de salários se legitima país afora porque câmaras e assembleias transformam-se em "puxadinhos" do executivo ao não cumprirem com seu papel político e constitucional de fiscalização; embora não consiga reverberar isso, por falta de espaço na mídia, sociedade percebe vereadores e deputados como assessores de luxo de prefeitos e governadores; eleições de 2016 pode ser o “cano de escape” da cidadania.

Movimento pela redução de salários se legitima país afora porque câmaras e assembleias transformam-se em “puxadinhos” do executivo ao não cumprirem com seu papel político e constitucional de fiscalização; embora não consiga reverberar isso, por falta de espaço na mídia, sociedade percebe vereadores e deputados como assessores de luxo de prefeitos e governadores; eleições de 2016 pode ser o “cano de escape” da cidadania.

O Brasil inteiro aplaudiu no mês passado um movimento iniciado no município de Santo Antônio da Platina, Norte Pioneiro do Paraná, que consistia na redução do salário dos vereadores. Como se fosse um rastilho de pólvora potencializado pelas redes sociais transformou-se num grandioso gesto de cidadania. Outras câmaras, prefeituras e governos estaduais, país afora, debatem diminuir os vencimentos do legislativo e executivo.

Os salários de vereadores, prefeitos, deputados e do governador não são os principais problemas nestas plagas, por exemplo. Também não o são em outras partes desta nação-continente. Bom que fosse!

A velha mídia despolitiza a sociedade ao valorar tal tema, deixando para trás o que realmente devasta os orçamentos públicos. Há um quê de udenismo (falso moralismo) nessa conversa.

O que seria mais nefasto ao estado do Paraná, o salário de R$ 26 mil dos parlamentares na Assembleia ou o confisco aprovado em abril, pelos mesmos deputados, que surrupiaram R$ 8 bilhões da aposentadoria dos servidores públicos? Eis a verdadeira discussão.

Interessar-nos-ia mais como votam os representantes nos legislativas, as leis aprovadas, que os salários recebidos mensalmente.

Essa discussão sobre salário é pequena, despolitizada e diversionista. Ela tende a gestar próximas legislaturas nas câmaras e assembleias piores que as atuais.

Na verdade, a sociedade é contra a avacalhação generalizada no executivo e no legislativo.

Um deputado não ganha somente R$ 26 mil nem um vereador de Curitiba, por exemplo, tem salário de apenas R$ 16 mil.

Há dezenas de “cargos cruzados” entre os dois poderes (executivo e legislativo) que nem a vã filosofia é capaz de supor. É contra isso que a cidadania se indigna e se levanta, porém, ela não consegue expressar-se adequadamente devido à falta de espaço nos meios de comunicação tradicional.

Também motiva a mobilização contra os salários o desejo de renovação nos parlamentos municipais nas eleições de 2016.

Portanto, a redução de salários em parlamentos que cumprem seu papel constitucional e político seria um golpe. Agora nas casas legislativas transformadas em “puxadinhos” do executivo, como a Câmara de Curitiba e a Assembleia Legislativa do Paraná, aí é discutível. Teto salário de R$ 4 mil seria de bom tamanho.

Vereadores e deputados há muito se transformaram em assessores de luxo, que são caros demais para o erário bancar. É contra esse desperdício que paranaenses e brasileiros se levantam.

O salário é baixo tanto para trabalhadores quanto para parlamentares. Entretanto, um cumpre o contrato, outro não. Um ganha menos que merece, outro mais que merece. Eis a diferença básica entre ambos.

20 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. E a culpa com certeza irá cair sobre as cabeças de Dilma e Lula, segundo o dicionário tucano de Aécio e FHC. Ainda bem que alguém neste país teve voz e colocou a boca no trombone ou melhor no microfone de igreja na hora a homilia e puxou o tapete destes “trabalhadores”. Agora está aparecendo movimento em tudo quanto e canto do Brasil, menos mal, antes tarde do que nunca,mas isso já era sabido e de conhecimento de todos que estes vereadores em nada ou quase nada beneficiam a sociedade onde estão inseridos, vide aqui em Curitiba que tem vereador pastor querendo criar do dia do “obreiro” da instituição onde ele atua. Só pode ser uma brincadeira sem graça, mas como tem um monte de barnabé que vota nele, fico preocupado. Outro trabalho de relevância é as homenagens aos “ilustres” desconhecidos amigos deles que volta e meia são homenageados com nome de praças, ruas e travessas, mas o que mais importa a população, nem de longe é votado quanto mais pensado. até tem um vereador que para mim caiu de um caminhão de mudança e de tão ridícula a sua proposta e de relevância pública que até esqueci o que era, só lembro que era mais um besteirol dele em favor dos botecos e bares de Curitiba, nada contra, mas tudo tem seus limites.
    Parabéns ao padre, pois se ele não fala, ninguém falaria.

  2. Tenho pena do povo de Santo Antonio da Platina, Gostaria mesmo de ver aquela mulher (empresaria agitadora), candidata e eleita Vereadora na próxima eleição, queria ver sua loja cheia de cidadãos atrás dela para pagar uma consulta ao filho pequeno doente, para comprar remédios para as pessoas, etc; ela teria que tira dinheiro do bolso para satisfazer seus eleitores, ela sentiria na pele o sofrimento das pessoas e não poderia ajudar pois seu ¨salario¨ seria de R$ 970,00! ela se venderia já para o prefeito kkkkkkk!

  3. Aqui em meu Município os Vereadores devolvem mensalmente o que não é usado de seu duodécimo o que gera uma grande economia ao Município, não tem verba de gabinete, verba de representação, apenas o subsídio, e os Vereadores aqui realmente pensam no Município!

  4. Ta aí uma coisa que eu não concordo. Acho que político TEM que ser bem remunerado, sim. Se ele recebesse somente um salário simbólico, os honestos não teriam muita motivação para se candidatar, e somente se candidatariam aqueles que veriam formas de se beneficiar do cargo através da corrupção.

    Eu não me incomodo em pagar os salários altos de deputados. O que incomoda é pagar um salário alto para não ver nenhum resultado, ver que eles não produzem nada.

    No Paraná, por exemplo, temos 2/3 dos candidatos comprados, que aprovam automaticamente tudo o que o Beto Richa quer. Se é assim, então pra que uma assembléia legislativa?

    No congresso nacional, temos só dois tipos de deputados: os que falam amém imediatamente para tudo o que o executivo propõe, mesmo que seja mal, e o que diz não para tudo o que ele propõe, mesmo que seja bom.

    Um projeto de lei tramita por 10 a 20 anos antes de ser votado. A não ser que seja um que interessa com urgência à elite.

    Tinha é que reduzir – e muito – a QUANTIDADE de deputados.
    Reduzir as verbas de gabinete, assessores, vale-gasolina, etc.
    Aumentar a participação popular a partir de plebiscitos e referendos.
    Aumentar a autonomia dos estados para criar suas próprias leis.
    Acabar com o voto secreto e deixar na internet cada votação de cada deputado, para permitir que o eleitor acompanhe se ele está mesmo lhe representado como deveria.

    Aí sim, talvez melhore a eficiência do legislativo.

    • E outra coisa. Parar de criar CPIs a torto e a direito como picadeiro para promover a própria imagem. CPI da pedofilia? CPI de crimes cibernéticos? CPI do maltrato de animais? CPI das explosões de caixas eletrônicos? Essas coisas são assuntos para a polícia, não para a política.

      Não elegemos investigadores. Elegemos representantes. A função deles é criar, alterar e votar leis, não sair correndo atrás de criminoso.

      • Caro Dirceu, seus argumentos sao compreensiveis. De fato nao e o salario que precisa mudar e sim a qualidade dia politicos. Entretanto, os politicos que ai estao nao interesse nenhum e realizar uma reforma polotica que melhore o sistema. É salutar q a população tenh uma bandeira efetiva pela moralização da política. Essa luta tem im efeito moralizador e simbolico. Pode ser bastante significativa em termos práticos. Muito melhor do que bermos o povo dividido entre Aecio e Dilma ou pmdb pt sem perceber que e o sistema que est errado. Eu particularmente tambem defendo a nandeira pela prpibiçap de que membros de uma mesma família assimam cargos eletivos num mesmo periodo legislativo. Sao medidas moralizadoras. Mas claro q precosamos de uma reforma política mais ampla.

    • Concordo com vc – Não ´e salário – Sim as verbas de gabinetes, cotão etc

    • Muito bem Dirceu;em meio a tantos comentários ao menos vc, é querente, pessoas que só servem para criticar e não acompanham as ações do Legislativo penso que não tem direito de querer exigir nada, tem que acompanhar e ver qual dos Vereadores de sua cidade realmente pensa na população, e qual vereador pensa nos ¨favores¨quando expõe sua forma de Legislar! não acho que com a diminuição do subsídio dos Parlamentares resolveremos a situação de nossos Municípios, mas sim na hora do voto, o voto de confiança, o voto na pessoa que realmente pensa na POPULAÇÃO E NO MUNICÍPIO, não em troca de favores, penso que eleitores que vendem seus votos tem os Representantes que merecem!

    • Se for ver no Portal da Transparência https://www.cmc.pr.gov.br/transparencia/orcamento-e-financas/orcamento-legislativo.php
      percebe-se que o assombroso orçamento da CMC 2015 é no valor de 140 milhões. Deste valor 120 milhões são gastos com PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS. A lei da responsabilidade social não permite só 30% do orçamento com gasto de pessoal???

    • Entendi seu argumento e ele é muito difundido na mídia que faz com que acreditemos que político tem que ganhar seja para ficar motivado ou para não se corromper etc e tal. Bem, a política é uma vocação como qualquer outra e se a pessoa gostar do que faz não precisa ganhar tão acima do cidadão comum ficando “tão importantes” acima dos demais, que são denominados ilustres. Se um trabalhador sustenta sua família com 1 salário mínimo, instituído pelo governo, porque os mesmos políticos não podem se sustentar com este salário??? E alguns argumentam que os políticos ajudam pessoas com sua verba. É o famoso assistencialismo tão útil na época eleitoral e que cria o famoso “reduto eleitoral”. Se o salário deles fosse proporcional a competência deles, teríamos os melhores políticos do mundo e o município seria muito bem legislado e não teríamos tantas leis esquisitas.

  5. Não podemos esquecer das diárias!!! que servem para “complementar” os salários dos nossos vereadores!!!!

  6. E quando os vereadores municipais de Curitiba vão abaixar seus salários?? É importante citar que a Prefeitura tem alguns salários também vinculados aos dos vereadores que são os dos Secretários. Então deveria baixar o salários dos vereadores de Curitiba e dos cargos comissionados da PMC.

  7. Não só pela redução como também que o que for reduzido seja direcionado ao executivo para outra destinação. Caso contrário, se a verba repassada às câmaras continuarem os mesmos valores ou percentuais, eles irão criar cargos pra parentes, inventar outras maneiras de se apossar do $, tipo auxílio combustível, …Na torcida para que esse movimento se amplie e se solidifique.

  8. Só baixar o pagode não resolve, tem que diminuir as vantagens como verba de gabinete , carros e motoristas a disposição e outros benefícios; o problema são esquemas que parlamentares tem com empresas de pedágios, empresas de ônibus.lixo,empreiteiras e outras empresas é aí que vem a fortuna de muitos parlamentares e tem muito parlamentar que tem empresas que prestam serviços aos estados e municípios.

  9. Eu particularmente não acredito muito que possa haver diminuição dos salários não. Como não costumam prestar contas do que fazem com o dinheiro do povo, podem ter certeza que vai acontecer de jogarem o dinheiro por baixo das portas e dizer pegue aí que esse é teu.

  10. O também deveria se cogitar, também, é o fim da reeleição pra os cargos de vereadores e deputados, só assim acabaria o chamado politica como profissão, politico profissional é quadrilheiro e não representante popular.

  11. ESSA É UMA BOA LUTA QUE TODOS DEVEMOS ENCAMPAR, A
    CRISE ESTÁ NAS NOSSAS PORTAS, OS VEREADORES E
    PREFEITOS DEVEM REDUZIR PARA MOSTRAR O EXEMPLO. UMA
    LUTA JUSTA DE TODOS OS BRASILEIROS, O DESEMPREGO ESTÁ AÍ, VAMOS NOBRES EDIS
    FAZEREM SUA PARTE.

  12. Em Santo Antonio do Sudoeste os Vereadores Marcio Galvani, Clodomir Fiorentin, João da Saúde, Orlando Bueno, Rafael Carminatti, Valdir “Dico”apresentam nesta segunda um projeto de alteração da Lei Orgânica para redução de 11 para 9 vereadores a partir de 2017.

  13. Concordo plenamente. Não só com a redução de salários dos políticos mas com a extinção de aposentadoria também.