Coluna do Requião Filho: “Chame, chame, chame, chame o ladrão!”

richa_requiaofilhoRequião Filho*

As eleições municipais estão se aproximando. O que nós temos a ver com isso? O desespero do atual desgoverno do estado para conseguir amealhar uma graninha e ver se consegue melhorar um pouco sua imagem. Sim, o desgovernador está louquinho para raspar o tacho e conseguir pagar uma ou duas promessas eleitorais para conseguir eleger prefeitos na próxima eleição.

Projetos e mensagens enviadas à Assembleia todas tratam de uma maneira imediata de levantar uma graninha e nenhum se preocupa com o futuro do estado. A ideia é fazer caixa agora para melhorar a imagem do governo. Não importa se as medidas causarão um impacto negativo irreparável no futuro de nosso estado.

O que os próximos prefeitos têm com isso? Nosso desgovernador precisa eleger pessoas de seu grupo para salvar a sua imagem. Precisa que seus correligionários tenham algum discurso para defendê-lo do caos em que se meteu.

A credibilidade de promessas vazias esvaiu-se como o dinheiro desviado pela Máfia da receita de Londrina.

Escândalos de corrupção e exploração sexual envolvem 3 figuras simbólicas, um primo distante, um co-piloto (do carro de corrida do Richa) que foi indicado politicamente para um cargo importantíssimo da receita e um fotógrafo tatuado que tinha um polpudo cargo na Governadoria/Casa Civil.

Um nome era azar, dois pura coincidência… 3 já levanta suspeitas. Suspeitas ao menos na capacidade do rapaz [Beto Rihca] em escolher suas companhias.

Com esta imagem destruída o rapaz, antes moreno e altivo, procura suicidas políticos para que defendam o seu governo nas próximas eleições. Com o atual desgaste de sua imagem, uma candidatura com o apoio do atual desgoverno é uma candidatura com o toque invertido de midas.

Mas se já está ruim a imagem hoje, imaginem os senhores depois de uma campanha onde todos jogarão no ventilador a atual situação do estado… Estado em choque, choque de caixa, choque no lóbulo frontal da administração.

O medo de a verdade vir a tona é tão grande que fazem de tudo para evitar uma CPI da Corrupção – a CPI para investigar a Receita e os MANDOS e desmandos político das últimas gestões.

Acometidos de paúra tentam calar até os Policiais instaurando a censura prévia do que um PM compartilha em seu WhatsApp. Também pudera… está novamente faltando comida nos quartéis e as condições de trabalho estão cada vez piores. Sem mencionar que antes a viaturas já não eram arrumadas e agora com a oficina do primo em xeque — ou seria em cheque? — as viaturas devem estar largadas nos pátios dos quartéis.

Quem serão os infantes deste batalhão de kamikazes políticos a sair em defesa do desgoverno?

Como ser candidato pedindo desculpas por falta de pagamentos a fornecedores, atraso no pagamento de prestadores de serviço e o não pagamento de encargos devidos ao funcionalismo público?

Como explicar o cancelamento de convênios e empenhos não pagos e pagamentos não empenhados?

Como pedir votos a quem tem os filhos em escolas públicas que estão abandonadas com professores insatisfeitos? Como defender o indefensável?

Nesses casos é bom seguir o bom conselho do nosso Chico Buarque: “chame, chame, chame, chame o ladrão!”.

*Requião Filho é advogado, deputado estadual pelo PMDB, vice-líder da oposição na Assembleia Legislativa do Paraná, especialista em políticas públicas.

Comentários encerrados.