Denúncias ligadas à  Petrobras resgatam relação antiga de doleiro Alberto Youssef com tucanos

via Jornal do Brasil
privataria_tucana.jpgO uso de depoimentos vazados à  imprensa sobre denúncias de corrupção na Petrobras durante o governo Lula e Dilma fez ressuscitar também a ligação do doleiro Alberto Youssef, importante personagem de um dos casos mais abordados nos debates eleitorais pela oposição, com a campanha de políticos tucanos como Fernando Henrique Cardoso e José Serra. O livro “A Privataria Tucana”, de Amaury Ribeiro Jr, publicado em 2011, mostra com base em documentos públicos o que seria um esquema de evasão de divisas para paraísos fiscais e também irregularidades na privatização de teles durante o governo FHC. O autor, no entanto, já revelava detalhes do suposto esquema bem antes, como em matéria publicada na Istoà‰ em 2003, intitulada “Conta tucano”.

O livro denuncia a chamada Era das Privatizações instaurada pelo governo de Fernando Henrique Cardoso e pelo então Ministro do Planejamento, José Serra. “Amaury Ribeiro Jr. faz um trabalho investigativo que começa de maneira assustadora, quando leva um tiro ao fazer reportagem sobre o narcotráfico e assassinato de adolescentes, na periferia de Brasília. Depois do trauma sofrido, refugia-se em Minas e começa a investigar uma rede de espionagem estimulada pelo ex-governador paulista José Serra, para desacreditar seu rival no PSDB, o ex-governador mineiro Aécio Neves. Ao puxar o fio da meada, mergulha num novelo de proporções espantosas”, diz uma descrição do livro, disponível para compra em livrarias e para download online.

Em discurso feito no plenário da Câmara dos Deputados no início deste ano, o deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) afirmou que a Casa faltou com o respeito ao povo brasileiro! ao engavetar duas vezes a CPI da Privataria Tucana, proposta por ele e que contava com 208 assinaturas. Não venham me dizer os da direita que isso é coisa da esquerda, quando se fala em CPI do Metrô de São Paulo ou os da esquerda que a CPI da Petrobras é coisa da direita, não, senhores, a roubalheira deve ser investigada sem levar em conta ideologia, o povo brasileiro tem que saber a verdade sobre o que fazem com o dinheiro público nesta República.!

O livro informava, entre outras coisas, que amigos e parentes de José Serra teriam mantido empresas em paraísos fiscais e movimentado milhões de dólares entre 1993 e 2003. Serra, quando a publicação foi lançada, chegou a dizer por meio de sua assessoria que o livro era uma coleção de calúnias!. FHC, também em nota, afirmou que a obra era uma infâmia!.

O autor do livro disse que seu interesse surgiu a partir das lacunas que ficaram da história das privatizações! e que os documentos contidos na obra são todos legais, obtidos na Justiça e no próprio Congresso Nacional. Ele trabalhou como jornalista na “Folha de S. Paulo”, “O Globo”, “Jornal do Brasil”, “Istoà‰”, “Estado de Minas”, entre outros veículos.

Em reportagem publicada em 2003 na Istoà‰, ele mostrava que Youssef já teria operado com o caixa das campanhas de FHC e Serra:

Conta tucano

Investigações revelam que o ex-caixa de campanha do PSDB movimentou US$ 56 milhões por intermédio de contas no Banestado dos EUA

Amaury Ribeiro Jr.

Documentos a que ISTOà‰ teve acesso começam a esclarecer por que o laudo de exame financeiro n!º 675/2002, elaborado pelos peritos criminais da PF Renato Rodrigues Barbosa, Eurico Montenegro e Emanuel Coelho, ficou engavetado nos últimos seis meses do governo FHC, quando a instituição era comandada por Agílio Monteiro e Itanor Carneiro. Nas 1.057 páginas que detalham todas as remessas feitas por doleiros por intermédio da agência do banco Banestado em Nova York está documentado o caminho que o caixa de campanha de FHC e do então candidato José Serra, Ricardo Sérgio Oliveira, usoupara enviar US$ 56 milhões ao Exterior entre 1996 e 1997. O laudodos peritos mostra que, nas suas operações, o tesoureiro utilizavao doleiro Alberto Youssef, também contratado por Fernandinho Beira-Mar para remeter dinheiro sujo do narcotráfico para o Exterior. Os peritos descobriram que todo o dinheiro enviado por Ricardo Sérgio ia parar na camuflada conta número 310035, no banco Chase Manhattan também em Nova York (hoje JP Morgan Chase), batizada com o intrigante nome Tucano!. De acordo com documentos obtidos por ISTOà‰, em apenas dois dias !“ 15 e 16 de outubro de 1996 !“ a Tucano recebeuUS$ 1,5 milhão. A papelada reunida pelos peritos indica que o nomedado à  conta não é uma casualidade.

Os dois responsáveis pela administração da dinheirama, segundo a perícia, são figurinhas carimbadas nos principais escândalos envolvendo o processo de privatização das teles e auxiliares diretos de Ricardo Sérgio: João Bosco Madeiro da Costa, ex-diretor da Previ (o fundo de pensão do Banco do Brasil) e ex-assessor do caixa tucano na diretoria internacional do BB, e o advogado americano David Spencer. A perícia revela ainda que Spencer é procurador de Ricardo Sérgio em vários paraísos fiscais. Ao perseguir a trilha do dinheiro, os peritos descobriram que os milhões de Ricardo Sérgio deixavam o País por intermédio de uma rede de laranjas paraguaios e uruguaios contratados por Youssef e eram depositados na conta 1461-9, na agência do Banestado em Nova York antes de pousar na emplumada Tucano, que contava com uma proteção especial para dificultar sua localização. Ela estava registrada dentro de outra conta no Chase em nome da empresa Beacon Hill Service Corporation. De lá, o dinheiro era distribuído para contas de Ricardo Sérgio e de João Bosco em paraísos fiscais no Caribe.

A perícia traz outras provas contundentes. A PF conseguiu comprovar que parte do dinheiro enviado por intermédio do Banestado retornou ao Brasil para concretizar negócios desse mesmo grupo. Segundo o laudo, o dinheiro voltava embarcado em uma conta-ônibus junto com recursos de várias offshores (empresas em paraísos fiscais com proprietários sigilosos) operada pelo próprio João Bosco. Os peritos conseguiram, por exemplo, identificar o retorno de US$ 2 milhões utilizados para comprar um apartamento de luxo no Rio de Janeiro em nome da Rio Trading, uma empresa instalada nas Ilhas Virgens Britânicas. Foram rastreados também imóveis em nome da Antar, sediada no mesmo paraíso, em nome de Ronaldo de Souza, que, segundo a PF, é sócio, procurador e testa-de-ferro de Ricardo Sérgio. Pelas características dos depósitos, que eram frequentes, suspeita-se que, por esse mesmo duto de lavagem, também passaram contribuições de campanha. Além disso, Youssef tinha em sua carteira principalmente dois tipos de clientes: narcotraficantes e políticos. O laudo concluiu ainda que Ricardo Sérgio, enquanto ocupava o cargo de diretor internacional do BB, ajudou a montar o esquema bancário que operava com dinheiro de doleiros na fronteira, depois transferido para a agência nova-iorquina do Banestado.

Os documentos anexados ao laudo provam o envolvimento do advogado e procurador de Ricardo Sérgio, David Spencer, na aberturae movimentação da conta 1461-9, em nome da empresa June International Corporation. Um ofício do gerente do Banestado, Ercio Santos, encaminhado ao doleiro Youssef em 20 de agosto de 1996, atribui a Spencer a responsabilidade pela abertura da conta. Seguecópia dos documentos referentes à  abertura da June, em 8 de agostode 1996. Recebemos hoje do David Spencer!, diz a primeira linha da correspondência na qual Ercio informa Youssef a respeito dos procedimentos para movimentação da conta. Na carta, Youssef é tratado intimamente por Beto! e, ao se despedir, o gerente mandaum grande abraço!. Ercio Santos sabia que mexia com dinheiro sujo. Informa, no documento, que preferiu não enviar selo da June por malote para não chamar a atenção. O selo, uma espécie de carimbo metálico, traz a identificação da empresa no paraíso fiscal onde foi instalada. A perícia comprovou também que, além do dinheiro do tucanato, Spencer ajudou a lavar recursos desviados do Banco Noroeste e do Nacional. Casado com uma brasileira, o americano conheceu Ricardo Sérgio no Brasil quando o ex-diretor do BB ocupava um cargo de direção no Citibank. Por falar português fluentemente, tornou-se advogadode banqueiros brasileiros no Exterior.

Como procurador de Ricardo Sérgio, conforme o relatório, Spencer abriu em 1989 a empresa Andover International Corporation nas Ilhas Virgens Britânicas. Spencer !“ que era também tabelião em Nova York !“ tinha respaldo legal para fechar as compras de imóveis no Brasil em nome das empresas offshore de Ricardo Sérgio e sua turma, mantendo os nomes dos verdadeiros donos em sigilo. Em uma dessas operações em 1989, por exemplo, Spencer lavrou uma procuração em nome do engenheiro Roberto Visneviski, outro sócio do tesoureiro tucano, para representar a empresa Andover na compra de um conjunto de salas na avenida Paulista, avaliado em R$ 1 milhão. Para especialistas em lavagem de dinheiro, a operação é suspeita porque Visneviski assina duas vezes a transação: como vendedor e como comprador. Obviamente, a Andover é do próprio Ricardo Sérgio. Foi uma operação clássica de internação de dinheiro!, avalia o jurista Heleno Torres, um especialista na investigação de operações de lavagem. Essa é apenas uma das 137 contas que já estão periciadas nos inquéritos. Por elas trafegaram US$ 30 bilhões. A polícia calcula que mais de 90% dessa montanha de dinheiro é ilegal, mais da metade resultado de sonegação de impostos através de caixa 2.

Reação !“ As denúncias publicadas na última edição de ISTOà‰ que revelaram a sangria via Banestado caíram como uma bomba dentro do governo. Já no sábado 1!º, um assessor direto do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, procurou o diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, pedindo informações sobre o laudo. Depois de conversar com o delegado Antônio Carlos Carvalho de Souza, atual responsável pelo caso, e com os peritos que trabalharam no escândalo, Lacerda comandou o reagrupamento de todos os policiais que já participaram da operação. Na quinta-feira 6, o chefe da PF reuniu a equipe e determinou a criação de uma força-tarefa da PF em parceria com o Ministério Público e com a Justiça. Além de Carvalho, o delegado José Francisco Castilho Neto e os peritos Eurico Montenegro e Renato Rodrigues, que buscaram junto ao FBI e organizaram toda a documentação existente hoje no Brasil, estão de volta à s investigações. Os três haviam sido colocados na geladeira durante a administração tucana na PF. à‰ o maior caso de evasão de divisas que eu conheço!, admitiu Lacerda na quinta-feira 6. Vamos investigar tudo e não cederemos a pressões de qualquer natureza!, adverte o ministro Márcio Thomaz Bastos, antecipando-se a eventuais novos nomes que o dossiê-bomba da PF venha a revelar.

O grupo, reforçado por dois escrivãos, voltará aos EUA nas próximas semanas para buscar os documentos que trazem as movimentações bancárias no biênio 1998-1999. Até agora, o trabalho dos peritos foi um exercício de abnegação. O número de peritos é pequeno para o volume de informações que está sendo investigado!, diz o presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais, Roosevelt Júnior. A divulgação do laudo também provocou uma corrida de procuradores que investigam separadamente casos de lavagem em vários Estados. O procurador Guilherme Schelb, que apura outros casos de lavagem, pediu o bloqueio das três contas suíças do contrabandista e traficante foragido João Arcanjo Ribeiro. O procurador Luís Francisco de Souza, que rastreia os passos de Ricardo Sérgio, também quer ter acesso aos laudos produzidos pela PF. O cearense José Gerin não perdeu tempo. Desembarcou em Foz do Iguaçu esta semana para buscar detalhes sobre a quadrilha de doleiros que opera na região Nordeste, entre eles Wilson Roberto Landim, preso há duas semanas, que, pelos documentos, remeteu para o Exterior quase US$ 1 milhão em apenas seis meses.

OS BONS COMPANHEIROS

Principal articulador da formação dos consórcios que disputaramo leilão das empresas de telecomunicações, o ex-diretor da área internacional do Banco do Brasil, Ricardo Sérgio de Oliveira, saiudas sombras do tucanato ao ser captado num grampo do BNDES em que dizia ao ex-ministro Luiz Carlos Mendonça de Barros queiria conceder uma carta de fiança ao consórcio coordenado peloBanco Opportunity. Estamos agindo no limite da irresponsabilidade!, disse Ricardo Sérgio no grampo.

Depois da revelação, Ricardo Sérgio passou a sofrer uma série de investigações no MP e na PF. Acusado de receber propina de empresas que participaram da privatização, Ricardo Sérgio está sendo investigado também por enriquecimento ilícito.

Ao assumir o cargo em 1994, convidou para chefe de gabinete o seu fiel escudeiro João Bosco Madeiro da Costa. Por indicação do ex-diretor do BB, Madeiro foi posteriormente para o cargo de diretor de investimentos da Previ, o milionário fundo de pensão do BB que participa do controle acionário da maior parte das teles privatizadas. Relatórios da Secretaria de Previdência Complementar, do Ministério da Previdência, revelaram que Madeiro centralizava todo o poder de negociação do fundo com grandes empresas. Segundo o Ministério Público, Madeiro também é suspeito de enriquecimento ilícito.

15 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I simply want to mention I am just all new to blogs and actually liked your blog site. Very likely I’m planning to bookmark your website . You surely come with perfect posts. Thanks a lot for revealing your webpage.

  2. I simply want to mention I’m very new to blogging and site-building and actually savored this website. Almost certainly I’m going to bookmark your site . You certainly come with fabulous articles and reviews. Appreciate it for sharing with us your blog.

  3. Ontem na justiça federal o YOUSSEF disse q financiou altas campanhas eleitorais do PP via JANENE,e todos nos paranaenses sabemos q no paraná PP E PSDB sao unha e carne, ou seja , sempre andaram juntos nas campanhas eleitorais, logo, essa tucanadas do DEMO Q COLOQUEM SUAS BARBAS DE MOLHO Q ABATATA DELES ESTA ASSANDO.

  4. Seria isso o consolo de toda a roubalheira do PT ???

  5. Renato, Luizão, e Nando, essa conversa de usar o
    erro do outro para justificar o próprio, parece aquela conversa de bêbado, em que o bêbado A e o bêbado B discutem quem tem o bilau maior, aí partem para a medição, e o bêbado A ganha por 1 cm.
    Então B argumenta: é o meu é menor, mas você disse
    que dá 2 por semana, e eu dou 5. RIDÍCULO?
    Essa discussão de quem foi mais corrupto, funciona
    com o mesmo princípio, só que de forma contrária.
    O PT diz que o PSDB foi mais corrupto, e o PSDB fala
    que o PT é que foi o mais corrupto.
    Aí medem-se as falcatruas, e o PT ganha por 1
    “pentelhésimo” de Real, e apesar da diferença
    insignificante, o PT leva o título de mais corrupto.
    Mas então O PT argumenta: é, mas o que roubamos não
    foi para aplicarmos na “causa”, para instalarmos o
    social-bolivarianismo no Brasil, e não em benefício
    próprio, blá,blá,blá! De novo: RIDÍCULO!
    Felizmente, para acabar com essa conversa etílica,
    a Justiça e a Comissão de Valores Imobiliários dos
    USA vão investigar a PETROBA por suspeita de violar
    a Lei de Anticorrupção Internacional.
    É, vender ações no mercado americano e bater sino
    na Bolsa de Nova York, tem lá suas implicações e…
    complicações.
    Agora sim a investigação caminhará, e “dolerá” a
    quem “doler”, sem despistes, sem CPI’s calhordas,
    sem conchavos, e claro COM nome aos bois, sejam PT
    ou PSDB.
    Veja é rotulada pela esquerda como sendo de direita,
    no entanto, já peleou contra a ditadura militar.
    Dilma e o PT querem amordaçar a imprensa com
    regulamentações desonestas, quero ver ela fazer
    isso lá nos USA… talvez ela tente convencer o
    OBAMA.
    Agora vocês já tem uma pista de qual vai ser a capa
    da Veja esta semana.
    Cliquem no link abaixo:
    http://www.tvi24.iol.pt/economia/negocios/petrobras-investigada-por-suspeitas-de-corrupcao

    • KKKKKKKKKKKK,ocoitado!! o BARACK OBAMA esta mais sujo q pau de galinheiro nos estados unidos…JA perdeu a maioria dos congressistas para oS republicanos. O Cara saiu derrotado nas eleições legislativa.

  6. Se for mostrado isso a um coxinha a resposta padrão é imediata: “- Não acredito!”

  7. E persiste a prática da justificativa de erro por outro. Não era o que o PT pregava quando em campanha, quando conseguiu o apoio para Lula se eleger, alardeando as bandeiras da transparência, da honestidade e aquela do Xô, Corrupção!. O PT chegou ao poder gozando a esperança da Nação em por fim a toda a corrupção além de decretar castigo a todos os corruptos. Não é isso o que acontece e sim, o Já que eles roubaram vamos roubar também.

  8. LADRão A ou LADRÃO B? Qual o seu ladrão preferido?

  9. Esse ex ministro Marcio Thomás Bastos é um grande incompetente, até agora não conseguiu por ninguém na cadeia. Só falacia, espero que agora o YOUSSEF denucie e bote todos os ladrões na cadeia.

  10. Graças a deus e o PT a 12 anos os tucanalhas estao fora do poder federal roubarao e esconderao. Tem que esterminar e cortar as asas destes tucanos. Nunca mais tucano no poder.

    • Nando, observando seus comentários, não poderia deixar de observar que você necessita de mais alguns anos de escola. As coisas que você escreve são sem nexo, sem lógica alguma, e em um português sofrível. Uma pessoa que escreve assim, tão mal, logicamente é, também, um péssimo leitor. Logo, só reproduz o que ouve, pois há aquela incapacidade de decodificar um texto um pouco mais elaborado. Daí essa sua argumentação tão frágil, agressiva e desprovida de sentido. Não é por nada não, mas, se eu fosse você, voltava a estudar. Não faz mal à ninguém!

  11. É isso ai ESMAEL!!!KKKKKKKKKKKKK,eu sabia…! Sera q vai ser capa da revista de merda VEJA tambem agora??Duvido e deodó!! A IMPRENSA MARROM[PIG] VAO SE CALAR AGORA… O YOUSSEF financiou altas campanhas eleitorais do tucanos/DEMO no PARANÁ E ATÉ NO BRASIL…QRO VER A REAÇAO DA TUCANADAS AG

  12. Há uma surdez enorme, quanto a Privataria Tucana..
    Mas parece que aos poucos a ESquerda esta aprendendo
    a comunicação por sinais.
    Quem leu Privataria Tucana, se enojaria do que fizeram ao BRASIL.
    Ainda bem que é um Livro de cabeceira, vale para todo e qualquer movimento da DIREITA.
    Fatalmente estará lá, o modo “operandius”……