Por Esmael Morais

Ex-presidente Jango recebe honra de chefe de Estado

Publicado em 14/11/2013

Na opinião do parlamentar, comprovado o assassinato de Jango, ficará claro que as ditaduras latino-americanas se uniram para praticar crimes a aniquilar lideranças políticas.

– O que está sendo exumado não é só o ex-presidente, mas as entranhas de um período da história brasileira que não pode se repetir – afirmou.

Emocionada, a presidente Dilma manteve-se ao lado da viúva de Jango, Maria Tereza Goulart. Juntas, depositaram uma coroa de flores no caixão. Pelo twitter, a presidente disse que a solenidade é uma afirmação da democracia no Brasil!.

Também participaram da solenidade os senadores Pedro Simon (PMDB-RS), Eduardo Braga (PMDB-AM), Eunício Oliveira (PMDB-CE), Acir Gurgacz (PDT-RO), Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), José Pimentel (PT-CE) e Eduardo Suplicy (PT-SP).

Exumação

A exumação dos restos mortais de João Goulart terminou na madrugada desta quinta-feira, depois de mais de 18 horas de trabalho envolvendo 12 peritos, incluindo profissionais de Cuba, Argentina e Uruguai.

Essa foi a primeira exumação de um ex-presidente no Brasil. Jango morreu no exílio, na Argentina, em 1976. A causa oficial da morte foi infarto, mas a família acredita na hipótese de que ele tenha sido envenenado, com a participação do governo militar. Na época, o presidente era Ernesto Geisel. Desde 2007, o Ministério Público Federal (MPF) investiga essa possibilidade. Em 2012, a Comissão Nacional da Verdade (CNV) passou a colaborar com as investigações.

No próximo dia 6 de dezembro, a morte do presidente completará 37 anos, e os restos mortais serão reconduzidos ao mausoléu da família no cemitério Jardim da Paz, na cidade de São Borja para serem novamente enterrados.