Joaquim Barbosa perde votação no Conselho de Justiça Federal

No confronto direto com os políticos paranaenses, que cerraram fileiras em defesa dos TRFs, Joaquim Barbosa se deu muito mal; batalha perdida lhe arranhou a imagem, pois nos enfrentamentos vieram à  tona reforma cara do banheiro, viagens com dinheiro da Corte e o que é pior: o presidente do STF não sabe fazer conta nem manejar o orçamento.

No confronto direto com os políticos paranaenses, que cerraram fileiras em defesa dos TRFs, Joaquim Barbosa se deu muito mal; batalha perdida lhe arranhou a imagem, pois nos enfrentamentos vieram à  tona reforma cara do banheiro, viagens com dinheiro da Corte e o que é pior: o presidente do STF não sabe fazer conta nem manejar o orçamento.

O ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), já não empolga nem convence como dantes, pois, nesta sexta-feira 28, perdeu por unanimidade votação no Conselho de Justiça Federal (CJF). O colegiado aprovou hoje a estruturação dos novos tribunais regionais federais (TRFs), cuja Emenda Constitucional foi aprovada no plenário da Câmara dos Deputados e promulgada pelo presidente em exercício do Congresso Nacional, deputado André Vargas (PT-PR), no início deste mês.

No início de abril, Joaquim Barbosa alegou, entre outros motivos, o aumento de custos do setor Judiciário para criticar a aprovação de quatro novos tribunais regionais federais. Acuado na época, o colegiado chegou assinar uma carta de apoio ao presidente da Corte.

Porém, neste início de junho foi ao CJF pedir ajuda para ampliar gastos no STF.

A conversa de Barbosa era de que os novos TRFs custariam surpreendentes R$ 8 bilhões adicional à  Justiça. Entretanto, refeitas as contas, constatou-se que as unidades no Paraná, Bahia, Minas Gerais e Amazonas não passarão de R$ 500 milhões ao ano.

Tanto Vargas quanto o senador Sérgio Souza (PMDB-PR) provaram, anteriormente, que o forte do presidente do STF não é matemática, muito menos orçamento. Para se ter ideia do disparate da informação de Barbosa, o custo total da Justiça Federal no país (todas as instâncias) é de R$ 7,5 bilhões.

O presidente do CJF, ministro Felix Fischer (que também preside o Superior Tribunal de Justiça), sempre defendeu a criação dos novos TRFs.

8 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. APARECER ! APARECER ! APARECER !

    EITA EGO EXAGERADO ! JOAQUIM BARBOSA NÃO PODERIA SEQUER PERTENCER AO STJ

  2. O forte de Joaquim Barbosa é APARECER ! Nem que seja cagando na pia da Igreja

  3. O forte do presidente do STF não é matemática, o forte do presidente do STF é a decência e a honestidade

  4. Seja por incompetência de gestão, seja por falta de conhecimentos jurídicos, esse cara não deve terminar seu mandato no STF: vai acabar sendo “impinchado”. Quando vier a tona que escondeu provas favoráveis aos réus do Mensalão a casa vai cair!

  5. Pois é! Tudo que o PT tem orçado comessa assim…
    No inicio é uma ninharia , é uma barbada…
    A coisa aparece logo em seguida. como um cancer a coisa vai crescendo, crescendo ate engolir tudo..
    É o caso dos orçamentos dos estadios inicial o estadio de brasilia era 300 milhoes, logo ainda nao apurou os valores mas ja sabemos que custou um bilhão a mais… rs… Coisa de parasitas, mesmo… Mas a Cadeia esta ai escancarada, Vai muiiita gente pra dentro ainda. Grato!JNGrossi.

    • Tu deve ter sido currado por algum petista né cara? Que que tem o PT haver com o Judiciário mané? Volta pra escola idiota.

  6. Parabéns ao CFJ, por mais essa batalha vencida, pois já passa em muito o tempo de se instalar novos TRF’s, tendo em vista que a desconcentração é a melhor forma de “desenrolar” a trmitação de processos, hoje entulhada em poucos TRF”S.
    Parabéns aos políticos paranaenses, que pela primeira vez se unem em favor do Estado do Paraná, que nas última décadas tem sido muito prejudicado em relação a outros estados, que são contemplados com “benesses” federais, enquanto os políticos paranaenses ficam brigando entre eles. Alguns exemplos desses desentendimentos políticos são facilmente perceptíveis, como por exemplo; gaúchos, mineiros, carioca e paulistas têm dezenas de Universidades Federais, enquanto o Paraná que é pioneiro nessa área, até hoje tem apenas uma Universidade Federal, A BR 101 corta os estados litorâneos dio RS até o Nordesge, interrompida somente no estado do Paraná, esses são apenas para citar alguns esemplos, espero que as coisas estejam mudando por aqui… Talvez seja o efeito das passeatas, que bom que está dando algum resultado!