A Mídia já julgou, condenou e executou a médica no caso da UTI do Hospital Evangélico de Curitiba

Publicado em 12 março, 2013
Compartilhe agora!

Alguns leitores deste blog, embalados pelo "efeito manada" produzido pela velha mídia fascista, infelizmente, acreditam que a médica Virgínia e os demais são culpados. Para eles, nem precisa de julgamento. à‰ preciso executar logo a pena, se possível com a de morte. Eu já vi esse filme antes, na política...
Alguns leitores deste blog, embalados pelo “efeito manada” produzido pela velha mídia fascista, infelizmente, acreditam que a médica Virgínia e os demais são culpados. Para eles, nem precisa de julgamento. à‰ preciso executar logo a pena, se possível com a de morte. Eu já vi esse filme antes, na política…
Volto hoje à  polêmica acerca da denúncia contra a médica Virgínia Helena Soares de Souza, ex-chefe da UTI no Hospital Evangélico de Curitiba, acusada formalmente ontem (11), juntamente com outros sete profissionais da saúde, de abreviar a vida de pacientes terminais.

O Ministério Público do Paraná os acusa de homicídio e formação de quadrilha, estampam as primeiras páginas dos jornais no estado.

Embora escutas telefônicas revelem diálogos fortes que médicos mantêm entre si no cotidiano, o que choca os leigos, evidentemente, não acredito que um grupo tenha se reunido com o claro objetivo de deliberar o assassinato de pacientes indefesos.

Nessa denúncia do MP, falta o motivo principal. Tem que haver uma razão econômica, religiosa, enfim, tem que existir ao menos um beneficiário direto ou indireto para que se justifiquem os supostos homicídios. Falta o cadáver! nessa história. Do contrário, como eu já disse antes, a velha mídia terá criado uma nova Escola Base! na ânsia de conquistar Ibope! (audiência/reconhecimento).

Ao longo da última semana, este blogueiro perguntou a vários médicos ligados a entidades de classe se esse o caso do Hospital Evangélico não guardava semelhanças com o caso da Escola Base, de São Paulo. Os homens de branco dizem que sim, que mídia e polícia podem estar cometendo um grave erro. Eles dizem que a médica Virgínia tem histórico de boa profissional, mas reconhecem suas dificuldades relacionais.

Quem não se lembra do caso Escola Base, de São Paulo? O fato ocorreu há quase 20 anos. Icushiro Shimada, Maria Aparecida Shimada, Mauricio Alvarenga e Paula Milhim Alvarenga eram donos Escola de Educação Infantil Base, na zona sul da capital paulistana. Sem chance defesa, eles foram acusados de pedofilia, condenados e executados pela velha mídia. Anos mais tarde ficou provado que eles eram inocentes. A Rede Globo foi condenada a pagar R$ 1,35 milhão para reparar os danos morais sofridos pelos donos e pelo motorista da escola.

Na época, na competição de quem esculhambava mais os acusados, a imprensa destacou que, antes de praticar ações perversas, os quatro sócios cuidavam ainda de drogar as crianças e fotografá-las nuas. Kombi era motel na escolinha do sexo!, estampou o extinto jornal Notícias Populares, editado pelo Grupo Folha. Perua escolar carregava crianças para a orgia!, manchetou a também extinta Folha da Tarde.

Ou seja, as denúncias poderão virar pó, os acusados serem inocentados e suas vidas desgraçadas para sempre. A não ser que o MP tenha contundentes provas que ainda não vieram à  tona.

Alguns leitores deste blog, embalados pelo “efeito manada” produzido pela velha mídia fascista, infelizmente, acreditam que a médica Virgínia e os demais são culpados. Para eles, nem precisa de julgamento. à‰ preciso executar logo a pena, se possível com a de morte.

Eu já vi esse filme antes, na política…

Resumo da ópera: Parodiando o cantor Jorge Ben Jor, “prudência e caldo de galinha não faz mal a ninguém”.

Compartilhe agora!

Comments are closed.