Psicólogos espanhóis expressam preocupação com onda de suicídios pela crise econômica

Incapacidade de pagar hipotecas e dívidas tem levado espanhóis a atearem fogo ao corpo ou a se jogarem de janelas

do Opera Mundi

Manifestação contra despejos em 9 de fevereiro de 2013. Foto: Wikicommons.

Manifestação contra despejos em 9 de fevereiro de 2013. Foto: Wikicommons.

A crise econômica que assola a Espanha não provoca apenas alta de desemprego e políticas de austeridade do governo, mas um aumento no número e na frequência de tentativas de suicídios, especialmente de pessoas ameaçadas de despejo.

A crise econômica é o principal fator desencadeante das tentativas de suicídio!, disseram especialistas no último Congresso Nacional de Psiquiatria, realizado em setembro de 2012 na cidade de Bilbao. Segundo os estudiosos, a cada nove pessoas que se suicidam por dia na Espanha, três o fazem por causa da crise.

María José Catalán, do Colegio Oficial de Psicólogos de Murcia, alerta para um aumento de 25% no número de casos relacionados com a crise e problemas econômicos por despejos, sem que haja uma atenção especializada na saúde pública.

Já a ONG Psicólogos sem Fronteiras, que trabalha com a organização PAH (Plataforma de Afetados pela Hipoteca) para ajudar futuros despejados, diz que o conceito de lar está estreitamente vinculado à  identidade pessoal e cuja perda supõe graves consequências para personalidade e relações sociais da pessoa.

Nesta segunda-feira (18/02), uma senhora de 47 anos se ateou fogo em Valencia após gritar Olhem o que me fizeram, me tiraram tudo!!. Na semana passada, uma onda de suicídios obrigava o Partido Popular e Partido Socialista espanhóis a admitirem a discussão de uma Iniciativa Legislativa Popular que pede uma nova lei de despejos.

De acordo com Ada Colau, líder da PAH, a Inciativa Popular pede que se mude a lei hipotecária para que a entrega da propriedade acabe com a dívida!, que tenha efeito retroativo, porque na Espanha já se produziram 400 mil execuções hipotecárias! e que se produza imediatamente uma moratória de despejos de moradias habituais e que as moradias vazias que os bancos estão acumulando se reconvertam em aluguel social que nunca represente, no máximo, mais de 30% das rendas familiares!.

Em apenas dois dias, quatro casos vieram à  tona: um casal de aposentados se suicidou nesta terça-feira (12/02) dentro de casa em Mallorca após receberem um aviso de que perderiam o imóvel por falta de pagamento. No mesmo dia, o grupo Parem Despejos Bizkaia atribuía o suicídio de um senhor de 56 anos no País Basco a problemas em pagar a hipoteca. Nesta quarta-feira (13/02), um homem de 55 anos tirou sua vida em Alicante no mesmo dia em que seria despejado por uma dúvida de €24 mil de aluguel.

O caso de um homem de 36 anos que se jogou do segundo andar de um prédio em Córdoba é icônico: após ter entregado sua casa como suspensão da hipoteca, recebeu uma notificação de que ainda devia €22 mil em outras dívidas e taxas.

Apesar de coleta de dados precisos sobre esses casos ser complicada, a publicação Tercera Información estima que 119 pessoas tenham se suicidado entre janeiro e novembro de 2012, incapazes de superar a impotência de ver sua família nas ruas por não poder pagar a hipoteca.

* Com informações de Público.es

7 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I just want to mention I am just new to blogs and actually savored your web-site. Most likely I’m planning to bookmark your website . You certainly come with perfect stories. Kudos for sharing your webpage.

  2. la na espanha são os ricos que empobreceram por ma administração pro germanica. no brasil os pobres não tinham nem 10.000 cruzeiros no banco ,cujo o limite que podia sacar ,e tava fora do confisco era 50.000 cruzeiros.eu não tinha nem 500 cruzeiros ganho daquela epoca.no tempo do confisco das contas bancarias ,pelo collor foi para abater uma infração de 80 % ao mes. o cruzado a antiga moeda ja acumulava uma inflação de 1000.000% mas mesmo assim 50,000 cruzeiros era muito dinheiro.com 50.000 mil cruzeiros voce comprava 50.000 latas de oleo de soja.que custava de inicio 1 cruzeiro.o unico erro do collor foi não conseguir combater a infração.uma coisa o collor melhorou no brasil. que os produtos industraizados passaram ter praso de validade, produtos alimenticios ,remedios .coisa que produtos so vencia no mercado quando juntasse bicho, ou arrebentasse as latas. não defendo o collor mas a verdade é essa! depois do collor que a economia brasileira foi aberta para o mundo,e itamar continuou.o brasil economicamente era fexado para produtos ,carros e outros,e o comercio pequenino. 500.000.000 de dolares era muita grana para o brasil naquela epoca. produto interno bruto não chegava a 400 bilhões de dolares.

  3. Espanhóis, o que é isto??? este povo não ecxiste…………

  4. O BRASIL PASSOU POR ISSO, INCLUSIVE NA ERA COLLOR QUANDO O GRANDE POLÍTICO NORDESTINO CONFISCOU A POUPANÇA. AS MORTES POR SUICÍDIO DEVEM SER IMPUTADAS NA CONTA MORAL DO FERNANDINHO.

  5. RICO= fraco, inseguro, precisa de pobre para tudo. Pobres são mais fortes. Sempre.