Pós-PMDB: Governo Richa sai do tubo, mas ainda está na UTI

Richa embarca para assistir corrida de Kart na hora do expediente, atitude que ajuda fixar seu governo na UTI. Fotos: Hugo Harada/GP e reprodução.

Richa embarca para assistir corrida de Kart na hora do expediente, atitude que ajuda fixar seu governo na UTI. Fotos: Hugo Harada/GP e reprodução.

Fazendo uma analogia entre um paciente clínico e a situação política do governo Beto Richa (PSDB), podemos afirmar com segurança que, devido à  derrota do senador Roberto Requião no diretório estadual do PMDB, no último final de semana, o tucano saiu do tubo de oxigênio, agora respira sem a ajuda dos aparelhos, mas continua na UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

à‰ incrível a quantidade de desgastes proporcionados por uma gestão errática, recheada de trapalhadas, que levaram o próprio governador a uma crise de imagem sem paralelo na história do estado.

Dos episódios negativos mais recentes, ao menos três merecem destaque especial: 1- a não adesão da Companhia Paranaense de Energia (Copel) ao programa de redução de energia, proposto pela presidenta Dilma Rousseff, devido questão política do PSDB (relembre); 2- o uso de aeronave alugada por empresa privada, em pleno horário de expediente, para assistir corrida de Kart (relembre); 3- o não cumprimento de promessa de implantação de 33% da hora-atividade aos professores, que motivou aprovação de greve para o início do ano letivo de 2013 (relembre).

Além desses pontos negativos, há outro observado pelo deputado federal Rubens Bueno (PPS), aliado de Richa, que é sentido pela população: ninguém sabe, ninguém viu até agora esse tal choque de gestão! prometido pelo governador (relembre).

Quando não sobra incompetência em várias áreas, abunda-se a lentidão no governo como um todo refletindo na execução de obras e projetos. Aliás, que obras? Que projetos de impacto? Parece até que Richa ainda não tomou posse e que seu governo já ingressou no clima de final de feira. Para usar uma expressão do líder de Richa na Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSDB), os molengas! tomaram conta do governo (relembre).

Se o governador Beto Richa continua na UTI, é correto afirmar que seu secretariado também segue o chefe nesse estado de total letargia.

A vitória do deputado Osmar Serraglio no PMDB, com a providencial ajuda da bancada estadual e de setores importantes do governo tucano (relembre), de certa forma, lança uma cortina de fumaça sobre a crise política que grassa o Palácio Iguaçu.

A “vitória compartilhada” no PMDB terá um custo elevadíssimo para Richa, em cargos. A banda que venceu mostrará uma fome impressionante, haja vista que são vários agrupamentos que se uniram numa frente anti-Requião. Por outro lado, será oportunidade única para o governador se livrar dos molengas!, ou seja, de ampliar a reforma no secretariado.

Mesmo dando tudo que o PMDB pedir !“ secretarias, diretorias de estatais, dentre outros cargos e prebendas –, não há garantia alguma de que o partido apoiará o tucano em 2014. Como disse o ministro Paulo Bernardo (Comunicações), em outro momento, Richa está comprando terreno na lua! (relembre), pois até as pedras de petit-pavé, que calçam a famosa Rua XV de Novembro, em Curitiba, sabem que os peemedebistas estarão na canoa da presidenta Dilma Rousseff (PT) e o governador na barca do correligionário mineiro Aécio Neves.

Além do terreno na lua!, Richa acredita no sonho vendido por parte dos vitoriosos na convenção do PMDB: de que é possível, sim, a coligação com o PSDB do Paraná (relembre a análise anterior).

Mas o que realmente importa aos estrategistas do Palácio Iguaçu é tirar Requião da jogada de 2014.

Entretanto, o senador ainda será muito útil como instrumento de pressão no PMDB ora contra Richa, ora contra a ministra Gleisi Hoffmann (PT), que se prepara para disputar o governo. E se o tucano e a petista desprezarem os deputados? Não tem problemas, convoca-se Requião! E segue o baile até 2014…

Comentários encerrados.