SEED lança brigada contra incêndio nas escolas, mas sem extintores

Desde 2010, há um diagnóstico no governo do Paraná atestando que metade das 2,2 mil escolas da rede pública estadual não tem condições de funcionamento. Estão abertas por teimosia. Os prédios que abrigam esses estabelecimentos de ensino não oferecem a segurança necessária à  vida dos alunos, professores e funcionários.

Pois bem, nesta semana o vice-governador e secretário da Educação, Flávio Arns (PSDB), anunciou a criação de uma brigada contra incêndio nas escolas da rede. Sairão dos cobres públicos R$ 15 milhões para capacitar a comunidade escolar, segundo a Secretaria de Estado da Educação (SEED).

A ideia do Programa Brigada Escolar !“ Defesa Civil na Escola, lançado em Curitiba, é capacitar a comunidade escolar para agir de modo seguro em situações de emergência e pânico.

O diabo é que na maioria das escolas não há equipamentos básicos para o combate de eventuais sinistros, o que deixa as pessoas em situação de risco. Extintores, hidrantes, saídas de emergência, detectores de incêndio, alarmes, acessibilidade para pessoas com deficiências, dentre outros equipamentos de primeira necessidade são itens desconhecidos nesses prédios que recebem diariamente milhares de almas.

A brigada de Arns, neste ano de 2012, segundo informou reportagem no jornal Gazeta de Maringá, apesar do investimento de R$ 15 milhões, não prevê a compra dos equipamentos obrigatórios para o eficiente combate a incêndio.

Se o objetivo do programa da Brigada Escolar é acalmar a comunidade escolar em situações de emergência, questiona-se o montante previsto de R$ 15 milhões. Chá de camomila não seria mais barato ao erário?

Caro leitor, imagine o Corpo de Bombeiros combatendo incêndio sem os equipamentos adequados… Como seria um batalhão treinado para não entrar em pânico sem os veículos, as mangueiras, os hidrantes, as escadas, as roupas especiais, os capacetes, etc.?

Imagine a tranquila comunidade escolar assoprando para apagar o fogo, sem equipamento algum — como um simples extintor.

O treinamento é válido e necessário, mas requer o mínimo de estrutura para que efetivamente funcione em situações reais. à‰ bom lembrar que também existem outros tipos de sinistros além do fogo, como tempestades.

Originalmente, o programa da Brigada Escolar foi concebido em 2010 pela professora Ana Lúcia Schumann, ex-diretora da Superintendência de Desenvolvimento Educacional (SUDE, a antiga Fundepar). Faltou o crédito à  moça.

Comentários encerrados.