Sobrinho de Flávio Arns assume conta trabalhista da bilionária Fundação Copel

* Relatório de 2011: entidade tem patrimônio de R$ 6 bilhões

Parceria de Arns questionada.

A fundação Copel entregou toda a advocacia trabalhista ao advogado Marlus Arns, que compõe sociedade com a Arns de Oliveira & Andreazza Advogados. As maledicentes línguas acreditam que o gesto atende a um pedido de seu tio, o vice-governador e secretário da Educação Flávio Arns (PSDB).

O nome de Arns, o sobrinho, já consta em diversas publicações como advogado da Fundação. Marlus é advogado criminalista.

A fundação Copel (pessoa jurídica de direito privado) não se submete ao regime de licitações, mas em seu código de conduta consta a obrigação de: Dar o mesmo tratamento e as mesmas oportunidades aos fornecedores qualificados, em situações equivalentes ou similares, em todas as etapas de processo de seleção e contratação!.

Segundo Relatório de Atividades da Fundação Copel, exercício 2011, o patrimônio da entidade é de R$ 6 bilhões. Esse dinheiro é resultado de contribuições previdenciárias e tem como objetivo garantir a aposentadoria e a saúde suplementar de funcionários da Copel (da ativa e aposentados).

Agora, a pergunta que não quer calar. Será que os demais fornecedores qualificados (os escritórios realmente especializados em Direito do Trabalho) foram provocados a apresentar proposta?

Tempos atrás Flávio Arns anunciou uma possível parceria entre a Educação e a Copel (clique aqui para ler a notícia). Seria o criminalista Marlus o resultado desta parceria?!, questiona um membro do Conselho Deliberativo da Fundação, que promete levar essa questão ao colegiado.

Mais um detalhe que intriga a oposição ao tucanato. Marlus é marido de Tani Maria Wurster, juíza substituta federal responsável pela última condenação do senador Roberto Requião (PMDB), relativa ao uso político! da TV Educativa. Muitos acreditam que não passa de uma mera coincidência.

11 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Infelizmente mesmo que a fundação estivesse submetida a lei 8.666/93 haveria possibilidade de contratação, pois os art. 13, 24 e 25 abre várias possibilidades de dispensa do processo.

  2. E eu que votei um dia nesse fala mansa , como me arrependo votei para ele para senador, ate hoje não me perdoo.

  3. Fico preocupado com o futuro das instituições no Paraná!
    Fica evidente que estão montando um baita de um esquema para desvios de dinheiro público por aí! Expertises tucana!

  4. Explica aí ô secretário da educação fala mansa!

  5. Só e nepotismo qdo o sobrenome e Requiao

  6. E ai PPS vamos fazer aquela propaganda apagando-se as luzes no Palácio do Governo “boa noite pai, boa noite mãe”
    Brincadeira, pode contar o final dessa história é fundo de pensão quebrado. (roubado)

  7. Se assim for, comprovado fica mais uma vez, que, mudam as pessoas, não muda a prática!

  8. Prezado Esmael,

    Não tenho informações sobre o caso e é muito provável que seja nepotismo mesmo.
    O que me chamou a atenção foi o fato do texto informar que Marlus é sobrinho de Flávio Arns e marido de Tani Wurster e não mencionar que ele é filho do Dr. Luiz Carlos de Oliveira.
    Seria essa informação tão irrelevante para a análise da situação? Ou é tudo mera especulação.

  9. Coincidência é eu ser preto, pobre e não ter um tio assim…. kkkkkkkkk