Lupi diz que só deixa o cargo se for ‘abatido a bala’

da Agência Estado

Alvo de denúncias de corrupção, o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, afirmou que tem o apoio “total” da presidente Dilma Rousseff e de seu partido, o PDT, para continuar no cargo. Durante entrevista coletiva encerrada há pouco, Lupi, que é presidente licenciado do PDT, avisou que para tirá-lo do cargo, “só abatido a bala e tem que ser bala forte, porque eu sou pesadão”.

Questionado sobre a confiança de Dilma nele, o ministro declarou que “duvida” que a presidente o tire do cargo. Já o líder do PDT na Câmara, Giovani Queiroz (PA), avisou que, se Lupi for demitido, o PDT deixa a base aliada ao governo.

“Com (a eventual saída do) o ministro Lupi, sai o PDT”, declarou Giovani Queiroz, que acompanhou a coletiva ao lado de Lupi, assim como o líder da bancada no Senado, Acir Gurgacz (RO), a fim de demonstrar a unidade do partido em torno de seu dirigente. Queiroz esclareceu que sua afirmação não era uma ameaça ao governo, mas apenas um posicionamento do partido, porque nenhum outro pedetista poderia substituir Lupi na Pasta. Tanto Queiroz como Acir Gurgacz afirmaram que as bancadas do PDT na Câmara e no Senado estão unidas no apoio à  permanência de Lupi no Ministério.

Sobre a confiança de Dilma nele, Lupi afirmou que, em conversa reservada com a presidente, ela lhe transmitiu apoio para que ele esclarecesse as denúncias sem se afastar do cargo. “Ela me perguntou se eu lutaria até o fim e eu respondi que não vou desistir nunca”, declarou. Ainda segundo o ministro, Dilma ainda não deu uma declaração pública de confiança nele “porque não precisa”. Mas depois de declarar que “duvida” que Dilma o demita, Lupi retificou, dizendo que “é pouco provável” que isso ocorra.

Lupi insistiu que não existe nenhuma denúncia de corrupção envolvendo o nome dele, mas não descartou irregularidades envolvendo servidores da Pasta. Segundo ele, são mais de dez mil funcionários e, por isso, não há como controlar as ações de todos. O ministro salientou, entretanto, que o Ministério do Trabalho é o único que faz “chamadas públicas” para controlar os convênios da Pasta com ONGs desde 2008. Mas admitiu que o sistema de acompanhamento dos contratos é “frágil” e prometeu fazer um mutirão até o fim do ano para atualizar o cumprimento de todos eles. Tentando demonstrar segurança e bom humor, o ministro concluiu comparando o desgaste político que atravessa com a mudança de clima: “à‰ que nem chuva: no dia seguinte já é sol”.

A reportagem da Veja publicada na edição desta semana afirma que caciques do PDT comandados por Lupi teriam transformado órgãos de controle da Pasta em instrumento de extorsão. Segundo a revista, a partir de relatos de diretores de ONGs, parlamentares e servidores públicos, o esquema funcionaria assim: primeiro o Ministério contrata entidades para dar cursos de capacitação profissional, e depois assessores exigem propina de 5% a 15% para resolver ‘pendências’ que eles mesmos criariam.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. bala nelle Dilma, mas doce para adoçar sua arrogancia!!!

  2. Esse ministro, desde o tempo do Lula, sempre foi o bobo da corte e ainda não percebeu.

  3. Um pedetista a menos no mundo. Quaquaqua