Oposição ‘meia-bomba’ na Câmara Municipal de Curitiba

Os vereadores da bancada oposicionista na Câmara Municipal de Curitiba anunciaram que vão apresentar nesta quinta-feira (4) a proposta que cria uma comissão de controle interno. Uma questão de futuro, é verdade.

Ocorre que o pretérito deixa de ser analisado pelos bravos oposicionistas, ou seja, as recentes denúncias contra o presidente da Câmara, vereador João Cláudio Derosso (PSDB), ficam para o esquecimento.

A sociedade tem se mobilizado para pedir rigor nas investigações, através da instalação de uma CPI, mas a oposição timidamente pede apenas que Derosso “esclareça” as irregularidades em contratos de publicidade. Coisa de R$ 30 milhões.

A atuação “meia-bomba” dos vereadores da oposição neste caso é uma prova inconteste de quão divorciados estão da realidade, pois, no momento em que se discute “A” eles colocam na pauta o assunto “B”.

“A” significa o afastamento de Derosso da presidência da Câmara. “B” significa a tal comissão de controle interno. Até parece uma estratégia diversionista para preservar o colega tucano.

Está cabendo a duas mulheres o papel de colocar Derosso contra a parede. As vereadoras Professora Josete (PT) e Renata Bueno (PPS) são as duas únicas que vieram a público pedir o afastamento do vereador do PSDB da presidência da Casa e exigir a instalação de uma CPI para investigar as denúncias.

Não se pede que os vereadores de oposição julguem e condenem antecipadamente Derosso. Pelo contrário. Exige-se que foquem na pauta do dia. à‰ preciso desenhar?

Comentários encerrados.