Líder da bancada do PMDB diz que Beti Pavin cometeu infidelidade partidária

Nereu Moura: só a bancada pode tucanar.

O líder da bancada peemedebista na Assembleia, deputado Nereu Moura, disse que a ex-deputado Beti Pavin cometeu infidelidade partidária ao trocar o partido pelo PSDB do governador Beto Richa.

Ora, e o que ocorreu com a bancada estadual do PMDB quando aderiu ao governo tucano? Como se chama isso? Não seria também uma espécie de infidelidade partidária, haja vista que os militantes da legenda sequer foram consultados?

Semana passada os deputados estaduais viraram as costas para a “Carta de Puebla” ao sentar no colo do governador tucano. Teve até hino da traição, cantado pelo deputado Jonas Guimarães, na casa de Caito Quintana.

A bancada ficou “p” da vida porque foi passada para trás pelos parlamentares do PSDB. Eles é que pegaram na mão de Beti e a levaram até o governador. Ou seja, um dia depois do festerê onde juraram amor eterno aos tucanos levaram uma chapuletada.

Não podemos deixar que, em nome de projetos individuais, transformem o PMDB em escada para atingir objetivos alheios aos interesses do partido!, disse o líder do PMDB, Nereu Moura.

Antes de sair do PMDB, Beti Pavin elegeu a direção do partido em Colombo — município na região metropolitana de Curitiba — onde pretende disputar a prefeitura em 2012.

Se a Executiva Estadual permitir isso e fizer vistas grossas para a infidelidade partidária da ex-parlamentar, estaremos na verdade incentivando que em outros municípios ocorra o mesmo!, defendeu o líder.

O ex-deputado Edson Strapasson já entrou em aquecimento. Ele está louco para assumir a presidência do partido colombense.

Comentários encerrados.