Por Esmael Morais

Alvaro Dias nega rumores sobre transferência de domicílio eleitoral para o Distrito Federal

Publicado em 28/08/2011

A aproximação do PMDB paranaense com o PSDB, que pode se transformar em acordo eleitoral para 2014, não preocupa o senador. “Isso é circunstancial. Não se sustenta. Os interesses eleitorais acabam prevalecendo. Se o PMDB tiver um candidato forte ao governo não vai deixar de lançar. Além disso, esse governo está começando. Tudo pode ocorrer”, avaliou.

Para Alvaro, o acordo tucano-peemedebista no Paraná é um fenômeno que ocorre de maneira alargada em todo o País. “à‰ a tentação que o poder exerce sobre os políticos, com honrosas exceções. à‰ como se os políticos fossem mariposas, atraídas pelos refletores. à‰ o que ocorre nos estados, nos municípios, na União. Não precisa ser um grande governo para atrair aliados. Basta ser governo”, criticou.

Alvaro disse que estes movimentos têm fragilizado a oposição em todas as esferas. “São os interesses subjacentes que desgastam a oposição”, comentou o senador, que garante não padecer do mesmo vício, ao se sentir confortável com sua forte marca de oposição ao governo federal. Tanto que, nas eleições de 2012, se o PSDB apoiar a candidatura de Luciano Ducci (PSB) ás eleições, Alvaro adianta que manterá distância. Ele lembra que o PSB faz parte da base de apoio do governo Dilma Rousseff (PT). “Não posso participar de uma candidatura de um partido da base aliada do governo federal”, declarou.