Ratinho Junior é o responsável pelo preço abusivo do combustível, segundo Jair Bolsonaro

Ratinho Junior é o responsável pelo preço abusivo do combustível, segundo Jair Bolsonaro [vídeo]

Dizendo ter um “acordo” e um relacionamento “dez” com o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), o presidente Jair Bolsonaro atribuiu aos governadores de estado os aumentos abusivos nos preços de combustíveis durante sua transmissão semanal ao vivo.

Na live semanal de quinta-feira (07/10), Bolsonaro elogiou Ratinho Junior dizendo que ele faz no Paraná um “trabalho excepcional”. “Ele também sofreu na pandemia, tomou algumas medidas que logicamente não concordamos, mas é uma pessoa que tá fazendo teu trabalho que é louvável. É, inclusive, como se fala em crise energética, ele flexibilizou a legislação ambiental”, aplaudiu, afirmando que serão construídas 70 PCHs (pequenas centrais hidrelétricas) no estado.

Diferente do que falou Bolsonaro, as PCHs não atendem diretamente as famílias. São empreendimentos privados que vendem a energia produzida em um leilão [pool] e usam o potencial hidráulico para agricultura [irrigação] e piscicultura [criação de peixes] após alagamento de importantes áreas agricultáveis e reservas ambientais.

“Parabéns ao Governador Ratinho Junior, nessa parceria conosco. Pergunte ao Ratinho Junior o que ele acha da Itaipu Binacional”, disse ao capitalizar obras da estatal de energia na região Oeste, como a segunda ponte entre Brasil e Paraguai e a ampliação da pista no aeroporto de Foz do Iguaçu.

Após afirmar que tem um “acordo” com Ratinho Junior, o presidente da República disse que o grande problema do combustível é o ICMS. “Alguns governadores me acusam de ser mentiroso. Nós sabemos que eles não aumentam a alíquota de ICMS, cuja média está entre 30%, mas toda vez que há um aumento na Petrobras, se você não aumentar na bomba, vai faltar combustível no Brasil porque nós temos que comprar lá fora, não somos autossuficientes no refino”, disse.

Novamente, o presidente deu a informação incompleta. Foi no seu governo que a Petrobras vendeu e desativou refinarias de petróleo, aumentando a dependência do refino externo. O Brasil é autossuficiente na produção do petróleo bruto, mas não consegue refinar o que consome, por isso precisa importar derivados. Os ativos [refinarias]  vendidos foram convertidos em “lucro” para os especuladores que detêm ações da empresa.

“O ICMS incide sem cima de toda a cadeia [de combustíveis]. Nós não aumentamos um centavo [pois] os impostos federais são os mesmos desde 2019”, declarou o presidente, porém a política de equiparação de preços da Petrobras, a partir da cotação internacional do petróleo e da variação cambial, é que provocam os preços abusivos dos combustíveis.

A alíquota do ICMS no Paraná é de 29% desde 2015. No entanto, Jair Bolsonaro pressionou na live para a redução do imposto.

“Nós temos notícias de alguns governadores se movimentando já para reduzir o ICMS. Nós levantamos essa lebre, nós botamos o dedo na ferida. Não basta você reclamar, você tem que saber se você tá reclamando corretamente. Se eu errar, eu assumo erro, eu assumo falha, agora vamos saber a verdade e reclamar com quem de direito”, disse, eximindo-se da culpa dos preços abusivos dos combustíveis e atribuindo aos governadores.

Ratinho Junior com amigo desse, como Jair Bolsonaro, não precisa de inimigo. Ou seja, Bolsonaro é o próprio “Amigo da Onça”. Foi por causa do presidente que numa cerimônia em Maringá, no dia 1º de outubro, que o governador do Paraná foi solenemente vaiado.

Assista ao trecho da live de Bolsonaro [07/10/2021]

Leia também

Flávio Dino mete fogo na gasolina cara de Bolsonaro e chama de “criminosos” apoiadores do presidente

Doria desmente Bolsonaro: “A culpa do aumento dos combustíveis não é do ICMS”

Requião ‘desenha’ e põe fim à falsa polêmica do ICMS no preço abusivo da gasolina