Por que Bolsonaro não reabre a fábrica de oxigênio hospitalar da Fafen-PR?

A pergunta cuja resposta vale um milhão de dólares é: por que raios o presidente Jair Bolsonaro não reabre a fábrica de oxigênio hospitalar que está fechada no Paraná?

Por que o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), não toma a iniciativa de exigir a reabertura da Fafen (Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados) no município de Araucária, região metropolitana Curitiba.

O MPF (Ministério Público Federal) e o MP-PR (Ministério Público do Paraná) enviaram na quinta-feira, 18/3, ofício conjunto à Petrobrás, ao governo do Paraná, ao Ministério da Saúde e à FUP (Federação Única dos Petroleiros) solicitando a reativação da Fafen-PR. Os órgãos têm até esta segunda-feira (21/3) para responder o ofício.

A Fafen tem capacidade de produzir de 350 mil a 750 mil metros cúbicos de oxigênio hospitalar por dia. Como comparação, só o consumo nas UPAs de Curitiba saltou nos últimos dias de 420 metros cúbicos para 3,5 mil metros cúbicos por dia.

LEIA TAMBÉM
Sem governo, deputados iniciam compra de 10 milhões de doses da vacina Sputnik V por meio de fundo russo

Bolsonaro ignora a fome e aposta no caos ao propor novo “auxílio emergencial” vergonhoso, diz Gleisi Hoffmann

Ratinho Junior “sumiu” para não decretar lockdown no Paraná

No momento, a maioria dos hospitais do país enfrenta dificuldade com suprimento do produto. Diante disso, nesta semana, o ex-ministro da Saúde, general Pazuello eximiu o governo de qualquer responsabilidade com o abastecimento de oxigênio aos hospitais.

A Fafen-PR foi fechada em março de 2020. A planta de fábrica consegue converter produzir oxigênio hospitalar, com pequena conversão, e fornecer o insumo para salvar vidas em todo o país.

Gleisi Hoffmann já pediu providências

Em 20 de janeiro deste ano, o Partido dos Trabalhadores pediu junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) a reabertura da empresa que pertence à Petrobras para produzir oxigênio para atender às necessidades do país.

Na ação, a presidenta do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), afirmou que “a fábrica, fechada por Bolsonaro, permanece montada, tem condições de produzir oxigênio para contribuir com às necessidades do pais”.

“O MPF e o MP explicam que a reativação da Fafen-PR e a consequente produção de oxigênio hospitalar podem evitar que várias vidas deixem de ser ceifadas por asfixia”, de acordo com nota divulga pelas duas instituições.

Fafen contra a Covid-19

Fechada desde março do ano passado, a unidade entrou em operação no Paraná em 1982. A capacidade de produção anual já foi de 700 mil toneladas de ureia e 475 mil toneladas de amônia, além de produzir o Agente Redutor Líquido Automotivo (Arla 32) e gerar cerca de mil empregos diretos.

Tecnicamente a unidade possui uma planta de separação de ar, que, com uma pequena modificação, pode ser convertida para produzir oxigênio hospitalar. Esse é um dos processos que ocorre para a produção da amônia, matéria prima utilizada na fabricação da ureia, que era o principal insumo gerado na fábrica.

Hoje o Paraná está com 96% de lotação nas UTIs, segundo a Fiocruz. Na visão dos pesquisadores, trata-se do maior colapso sanitário e hospitalar da história do Brasil. Das 27 unidades federativas, 24 estados e o Distrito Federal estão com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS) iguais ou superiores a 80%, sendo 15 com taxas iguais ou superiores a 90%.