PSOL pede investigação de farra de R$ 1,8 bi que inclui chicletes e leite condensado

O PSOL foi para cima da farra pantagruélica do presidente Jair Bolsonaro. O faminto mandatário comprou R$ 1,8 bilhão em produtos alimentícios, dentre os quais chicletes e leite condensado, além de bebidas finas.

Coube ao deputado David Miranda (PSOL-RJ) mover a ação questionando a farra presidencial de R$ 1,8 bilhão enquanto falta cilindros de oxigênio para pacientes de covid em Manaus.

A representação do PSOL na Procuradoria-Geral da República (PGR) ainda tem a assinatura das deputadas Sâmia Bonfim (SP), Fernanda Melchionna (RS) e Vivi Reis (PA). Todas elas são psolistas.

“Bolsonaro gastou mais de R$ 1 bilhão 800 milhões de reais em mercado. Isso só em 2020. O Brasil não estava quebrado? Quantos cilindros de oxigênio esse valor compraria? Isso é lavagem? Superfaturamento?”, argumenta Miranda.

Segundo o portal Metrópoles, parceiro do Blog do Esmael, o valor de R$ 1,8 bilhão equivale a um aumento de 20% em relação a 2019. Entre os produtos adquiridos estão R$ 2,5 milhões em vinhos para o Ministério da Defesa e, R$ 15 milhões em leite condensado e R$ 2,2 milhões em gomas de mascar (chicletes).

A farra ainda consiste em:

  • R$ 5 milhões na compra de uvas passas
  • R$ 1 milhão em alfafa
  • R$ 15 milhões em açúcar
  • R$ 16,5 milhões em batata frita embalada
  • R$ 14,8 milhões em temperos
  • R$ 4,5 milhões com água de coco
  • R$ 14 milhões em café
  • R$ 3,2 milhões em caldas doces para recheios e coberturas
  • R$ 1,7 milhões em chantili
  • R$ 6,7 milhões em chuchu
  • R$ 1,8 milhão em geleia de mocotó

A bancada do PSOL afirma que o governo Bolsonaro faz a farra do leite condensado e do chicletes enquanto sonega o auxílio emergencial para os brasileiros na pandemia.

Além do PSOL, senadores do PDT, PT, Rede, Cidadania e PSB foram ao TCU (Tribunal de Contas da União) pedir investigação da farra pantagruélica de Bolsonaro.